Rússia amplia ofensiva, com mil ataques no dia; 5 mi deixaram Ucrânia

A maioria dos fugitivos ucranianos recorreu aos países vizinhos, como Polônia, Eslováquia, Hungria e Romênia

atualizado 20/04/2022 11:32

Cidade de Lviv, na Ucrânia, é bombardeada por misseis russos. Na foto, várias casas aparecem destruídas e muita fumaça sai delas, enquanto pessoas se aglomeram na frente - Metrópoles Joe Raedle/Getty Images

O número de refugiados que deixaram a Ucrânia ultrapassou 5 milhões, segundo anúncio feito pela ONU nesta quarta-feira (20/4). Simultaneamente, o Ministério da Defesa russo anunciou que a quantidade de força empregada contra os ucranianos, mesmo depois do acordo para reduzir os ataques, aumentou. Nesta quarta, por exemplo, ocorreram mais de mil ofensivas no país invadido.

De acordo com dados apurados em 2020, a Ucrânia abrigava 44,13 milhões de pessoas. Segundo o governo do país, pelo menos 2 mil pessoas morreram no confronto diplomático que teve início no dia 24 de fevereiro. O Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Filippo Grandi, informou que 5.010.971 de habitantes fugiram da nação.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
0

No total, a guerra causou a fuga de mais de 11 milhões de pessoas de suas casas (inclusive de uma cidade para outra, por exemplo). Mais de 5 milhões seguiram para países vizinhos, segundo estimativas da Organização das Nações Unidas (ONU).

A maioria dos fugitivos recorreu a nações como Polônia, Eslováquia, Hungria e Romênia, onde voluntários e governos se esforçam para ajudar os refugiados.

“Eles deixaram para trás suas casas e famílias. Muitos fariam qualquer coisa, e alguns até arriscam voltar, para ver seus entes queridos. Mas cada novo ataque destrói suas esperanças. Apenas o fim da guerra pode pavimentar o caminho para a reconstrução de suas vidas”, disse o chefe da Acnur.

A fuga dos habitantes ucranianos está acontecendo, principalmente, por meio dos corredores humanitários, que são zonas desmilitarizadas, ou seja, que não são ocupadas por forças militares e funcionam como uma forma de acesso legal dos civis a áreas fora da guerra.

Veja post de Filippo Grandi:

Ataques

Os ataques russos, entretanto, só aumentam. De acordo com o Ministério de Defesa da Rússia, só nesta quarta aconteceram mais de mil. Segundo o órgão russo, suas tropas quadriplicaram as investidas desde o início da semana. Na madrugada de terça-feira (19/4), os militares realizaram pelo menos 1,2 mil ataques. O número é quatro vezes maior que os 315 ataques feitos na segunda-feira (18/4).

A maioria desses ataques ocorreu no leste da Ucrânia, onde Moscou tenta tomar cidades. Entre elas, está a de Kreminna.

O porta-voz do Ministério da Defesa russo, Igor Konashenkov, alegou que todos os bombardeios foram realizados contra alvos militares ucranianos. O governo de Kiev, porém, acusa as tropas russas de atacarem deliberadamente regiões onde há civis.

Mais lidas
Últimas notícias