Psicóloga mata filhas gêmeas a tiros, enquanto dormiam, e depois se suicida

Meninas tinham 7 anos. Mulher dizia em seu site que ensinava a seus clientes a "conviver melhor com a família"

atualizado 28/10/2020 10:38

Reprodução/Facebook

Uma psicóloga de 55 anos matou as duas filhas gêmeas, de 7 anos, a tiros enquanto dormiam. Em seguida, ela se matou. O caso ocorreu em Washington, nos Estados Unidos.

Michele Deegan travava uma briga judicial com o ex-marido pela guarda das meninas. Ela o havia denunciado na Justiça por violência doméstica. Uma das hipóteses é de que o crime tenha sido cometido em decorrência dessa disputa nos tribunais. As informações são do Daily Mail.

0

Michele era terapeuta e, em seu site pessoal, afirmava que seu objetivo era justamente “ensinar a seus clientes novas formas de lidar com os problemas, comportamentos e atitudes saudáveis, habilidades de comunicação para conviver com as famílias, parceiros e colegas de trabalho para que possam realizar mudanças em suas vidas”.

Antes de atirar nas meninas e tirar a própria vida, ela compartilhou publicações em seu Facebook sobre como o convívio com narcisistas pode motivar o suicídio.

Busque ajuda

O Metrópoles tem a política de publicar informações sobre casos de suicídio ou tentativas que ocorrem em locais públicos ou causam mobilização social. Isso porque é um tema debatido com muito cuidado pelas pessoas em geral. O silêncio, porém, camufla outro problema: a falta de conhecimento sobre o que, de fato, leva essas pessoas a se matarem.

Depressão, esquizofrenia e o uso de drogas ilícitas são os principais males identificados pelos médicos em um potencial suicida. Problemas que poderiam ser tratados e evitados em 90% dos casos, segundo a Associação Brasileira de Psiquiatria.

Está passando por um período difícil? O Centro de Valorização da Vida (CVV) pode te ajudar. A organização atua no apoio emocional e na prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone, e-mail, chat e Skype 24 horas todos os dias.

 

Arte/Metrópoles

Disque 188

A cada mês, em média, mil pessoas procuram ajuda no Centro de Valorização da Vida (CVV). São 33 casos por dia, ou mais de um por hora. Se não for tratada, a depressão pode levar a atitudes extremas.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada dia, 32 pessoas cometem suicídio no Brasil. Hoje, o CVV é um dos poucos serviços em Brasília em que se pode encontrar ajuda de graça. Cerca de 50 voluntários atendem 24 horas por dia a quem precisa.

Últimas notícias