metropoles.com

Argentina: BC, inflação, Congresso e agenda externa desafiam Milei

Javier Milei, presidente eleito, promete fim da decadência no país, mas terá que enfrentar inflação de 142% e falta de apoio interno

atualizado

Compartilhar notícia

Tomas Cuesta/Getty Images
imagem colorida Javier Milei presidente eleito da Argetnina
1 de 1 imagem colorida Javier Milei presidente eleito da Argetnina - Foto: Tomas Cuesta/Getty Images

Pelo menos nas palavras, Javier Milei, presidente eleito da Argentina, sabe que seus quatro anos de gestão serão difíceis. No discurso logo após o resultado, apontou que a situação é “crítica”. “As mudanças que nosso país precisa são drásticas”, frisou o ultraliberal, deixando claro que “não haverá lugar para o gradualismo, a tibieza e as tintas de mídia”.

É o mesmo tom que Milei usou na campanha. Mas o verdadeiro desafio é saber se esse discurso vai caber na prática de um país que, mesmo com a terceira maior economia da América Latina, enfrenta uma crise que perdura há décadas.

O atual ministro da Economia do presidente Alberto Fernández é Sergio Massa, derrotado na corrida eleitoral. E exatamente o cargo de Massa é uma das explicações para a acachapante derrota dele.

0

Ninguém mais no país aguenta viver com o peso valendo tão pouco e o dólar tão alto – que, aliás, disparou nas últimas semanas. Ou com uma inflação anual de 142%, índice atingido em outubro e um recorde em mais de 30 anos. Um “detalhe”: a inflação argentina no continente só é superada pela da Venezuela.

Nessa parte, a vitória de Milei não tem sido o melhor recado para o mercado financeiro. Este “ser” que controla parte do dia a dia de cidadãos no mundo começa a “falar”, neste início da semana, e pode dar indícios sobre se gosta ou não da novidade Milei, que toma posse em dezembro.

Há mais: cerca de 40% da população vivendo na pobreza, em um país em que a taxa de desemprego é de 6,2%.

O problema é que todos esses números não são retratos da atualidade: são reflexo de décadas. São apenas 15 anos de inflação abaixo de dois dígitos nas últimas oito décadas. Entre 1961 e 2022, a Argentina teve apenas seis anos com superávit fiscal.

Milei, governadores e Congresso

E para promover mudanças econômicas, há muitas dificuldades políticas. Milei governará nos próximos quatro anos sem nenhum representante nas províncias. Sim, ele venceu na maioria e tem o apoio popular, mas terá a ajuda dos governadores?

Pior: o Congresso. Foram recém-eleitos 130 dos 257 membros da Câmara dos Deputados e 24 dos 72 membros do Senado. E Milei está longe de ter uma maioria. Na verdade, o trabalho de Massa também não seria melhor, porque também não teria força dentro das casas.

A coligação A Liberdade Avança nasceu em 2021. Sim, é a terceira força dentro do Congresso, mas nem chega perto da maioria necessária de 129 deputados. São 38, contando com Milei. No Senado, a história se repete: oito senadores, quando a maioria pede 37.

As propostas disruptivas do ultraliberal Milei na economia correm risco de nunca verem a luz do dia. A luta é o grupo conseguir o apoio da coligação Juntos pela Mudança, com 93 deputados e 24 senadores. Mas não é um bloco homogêneo. Então, nada é certo.

Política externa

A eventual dificuldade de implementar um modelo econômico radical, como o articulado por Milei, não é apenas pela estrutura do Congresso, mas também pela quebra das relações com países centrais para a economia argentina.

“Esta pauta parece ser de difícil execução, não só pela extensa integração de ambas as economias, mas também pelo próprio interesse do empresariado argentino. Assim como ocorreu durante o governo Bolsonaro no Brasil, as relações políticas com a China deram uma estremecida, porém as relações econômicas se mantiveram”, analisou Rafaela Mello Rodrigues de Sá, mestre em relações internacionais e professora substituta na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Outro prejuízo em cortar as tratativas com a China seria minar a possível ajuda para quitar a dívida externa da Argentina. “As iniciativas chinesas no financiamento de projetos de desenvolvimento buscam evitar condicionalidades, diferentemente das ações do Fundo Monetário Internacional (FMI)“, aponta Sá.

A solução proposta por Milei para a inflação seria a dolarização, ou seja, parar de usar o peso como moeda oficial e adotar o dólar norte-americano. Em contrapartida, Massa expôs propostas “mais gerais”, como mais investimento público e reforço das relações com o Brasil, para controlar o índice inflacionário.

Fechamento do Banco Central

Em entrevista nesta segunda-feira (20/11), Milei confirmou seus planos de fechar o Banco Central e dolarizar a economia argentina.

“Fechar o Banco Central é uma obrigação moral, e dolarizar (a economia) é uma maneira de nos livramos do Banco Central”, declarou. Milei, no entanto, propôs que a moeda adotada por seu governo “seja aquela escolhida pelos indivíduos”.

Para analistas, o fechamento do BC argentino é uma ideia polêmica.

“As negociações e os acordos serão obrigatórios e permanentes. Além disso, suas propostas mais controversas são necessárias para a aprovação do Congresso. Outros, como a aniquilação do Banco Central ou a dolarização, exigirão uma reforma da Constituição, que estipula que haverá um ‘banco estatal’ que se encargará de ’emitir moeda’ e de fixar seu valor”, escreveu o jornalista e analista Joaquín Morales Solá, do La Nación.

Dá para mudar a Constituição? “Somente os líderes com o peso político e parlamentar de Raúl Alfonsín e Carlos Menem puderam, nos tempos modernos, mudar algumas coisas da Constituição, sem seu preâmbulo nem sua declaração de direitos e garantias”, aponta Solá.

Com informações da agência DW

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações