Hackers invadem câmeras pessoais e vendem vídeos íntimos a sites pornôs

Os vídeos mostram pessoas relaxadas, com roupas íntimas, mas também existem cenas de casais e até de crianças

atualizado 30/10/2020 10:21

Reprodução

Se você já assistiu Black Mirror, provavelmente ficou preocupado com a possibilidade de acessarem a câmera de seu notebook. Nesse caso, trata-se de uma ficção, mas na realidade coisas assim também podem ocorrer.

Hackers invadiram câmeras de segurança pessoais e venderam mais de 50 mil vídeos íntimos para sites pornográficos. A maior parte das vítimas é da Tailândia, porém foram descobertas invasões em outros países como Coréia do Sul e Canadá. As informações são do Asia One.

Grande parte das filmagens mostra pessoas relaxadas em casa, usando roupas íntimas. Porém, há cenas “quentes” de casais e algumas imagens de crianças.

Investigações descobriram que o grupo dedicado a invadir câmeras tem um canal de comunicação com mais de mil membros do mundo inteiro na plataforma Discord. Para hackear os aparelhos, eles descobriram alguma falha. A mais comum estava relacionada ao uso de senhas fracas.

Segundo o especialista Clement Lee, muitas câmeras de segurança são vulneráveis a esse tipo de ataque porque os equipamentos são instalados remotamente. “Hackear câmeras é possível se elas estiverem acessíveis a partir de um serviço de nuvem central ou expostas à internet”.

Ele também aconselha aos usuários para sempre optar por senhas fortes. “Nunca presuma que sua câmera é segura”. Além disso, Clement destaca que evitar o compartilhamento de dados pessoais on-line é essencial para garantir a segurança.

 

Últimas notícias