metropoles.com

Fatah, Hamas, Hezbollah: conheça grupos atuantes no Oriente Médio

Da política ao terrorismo, Fatah, Hamas, Hezbollah e Jihad Islâmica têm diferentes características e influenciam dinâmicas regionais

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/Wikimedia Commons
Imagem colorida de bandeiras dos grupos atuantes no Oriente Médio - Metrópoles
1 de 1 Imagem colorida de bandeiras dos grupos atuantes no Oriente Médio - Metrópoles - Foto: Reprodução/Wikimedia Commons

O ataque do Hamas a Israel e a guerra que se seguiu chamam a atenção para a complexidade política no Oriente Médio. Fatah, Hamas, Hezbollah e Jihad Islâmica são organizações políticas ou extremistas com objetivos, ideologias e papéis próprios no cenário geopolítico regional.

Alguns atuam na política, mas também podem optar por ações armadas e terroristas, como o Hamas, que cometeu um ataque mirando, principalmente, civis israelenses no fim de semana passado.

Conheça mais sobre cada um desses grupos.

0

Hamas

O Hamas, cujo nome é um acrônimo árabe para Movimento de Resistência Islâmica, surgiu na década de 1980 em meio à Primeira Intifada, um levante palestino contra a ocupação israelense na Faixa de Gaza e na Cisjordânia. O movimento foi fundado por membros da Irmandade Muçulmana palestina, influenciados pelo islamismo militante, e rapidamente se tornou um ator importante na luta palestina.

O grupo, que prega a destruição de Israel, é conhecido por se posicionar contra a ocupação israelense. O Hamas usa da resistência armada como um meio de alcançar seus objetivos, que incluem a criação de um Estado palestino independente. No entanto, sua abordagem em relação a Israel é frequentemente considerada uma barreira para a paz na região.

Em 2006, o Hamas venceu as eleições legislativas palestinas e assumiu o controle da Faixa de Gaza, estabelecendo um governo rival em relação à Autoridade Palestina, liderada pelo Fatah. Isso resultou em uma divisão política entre a Faixa de Gaza, governada pelo Hamas, e a Cisjordânia, sob controle do Fatah.

Além de sua luta contra Israel, o Hamas desenvolveu programas sociais e serviços em Gaza, o que lhe garantiu apoio entre a população local. No entanto, o grupo é amplamente considerado uma organização terrorista por nações ocidentais.

Apesar de pressionado internamente por políticos conservadores, o Brasil não se inclui no grupo de países a considerar o Hamas uma organização terrorista, com a justificativa que a Organização das Nações Unidas (ONU) não classifica o grupo como terrorista. Ainda assim, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem se referido aos ataques contra civis israelenses como atos terroristas, mas sem citar nominalmente o Hamas.

Fatah

O Movimento de Libertação Nacional da Palestina (Fatah) foi fundado em 1959, por Yasser Arafat, com o objetivo de unir os palestinos na busca de autodeterminação e da criação de um Estado palestino independente. Ao contrário do Hamas, o Fatah adotou uma abordagem mais pragmática em relação ao conflito, buscando uma solução de dois Estados, onde Israel e Palestina coexistiriam.

O Fatah é secular, ou seja, livre de dogmas religiosos, e atualmente é um grupo menos radical que o Hamas.

O partido ganhou destaque nas décadas de 1960 e 1970 por meio de ações armadas e atentados, com o objetivo de desafiar a ocupação israelense. A Organização para a Libertação da Palestina (OLP), liderada por Arafat, uniu várias facções palestinas, incluindo o Fatah, na busca por reconhecimento internacional e resolução do conflito.

Em 1990, Fatah e Israel assinaram os Acordos de Oslo, visando a autodeterminação palestina e a paz. No entanto, apesar da iniciativa, as tensões persistiram. Após a morte de Yasser Arafat em 2004, o Fatah enfrentou desafios políticos internos e crescente rivalidade com o Hamas. Essa divisão política resultou em governos separados na Cisjordânia, liderada pelo Fatah, e na Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas.

Hoje, o Fatah ainda desempenha um papel importante na Autoridade Palestina, que governa partes da Cisjordânia. Embora sua influência tenha diminuído em relação ao Hamas, o partido continua a buscar uma solução política para o conflito israelo-palestino.

Hezbollah

O Hezbollah, cujo nome significa “Partido de Deus”, é uma organização libanesa que surgiu durante a guerra civil no Líbano na década de 80. Influenciado pelo Irã e apoiado pela Síria, o Hezbollah concentra-se na resistência contra Israel e na promoção da influência xiita no Oriente Médio.

O grupo surgiu em resposta à ocupação israelense do sul do Líbano. Inspirado e apoiado pelo Irã, o Hezbollah rapidamente se tornou uma força de resistência contra Israel. Sua ala militar é considerada uma das mais poderosas da região, tendo lançado ataques bem-sucedidos contra alvos israelenses.

Além de suas atividades militares, o Hezbollah é uma força política influente no Líbano, com representação no parlamento e participação no governo. Seu apoio a causas xiitas e sua lealdade ao Irã o colocaram em desacordo com nações ocidentais e árabes sunitas.

Seu papel na resistência contra Israel e sua presença política contínua no Líbano o tornam uma força determinante na região e há grande temor pela entrada de seus combatentes no conflito atual.

Jihad Islâmica

A Jihad Islâmica Palestina é uma organização militante que desempenha importante papel no conflito entre Israel e Palestina. Fundada na década de 1980, a organização é conhecida por sua postura radical e suas ligações estreitas com o Irã.

A Jihad Islâmica tem como objetivo central a destruição de Israel e a criação de um Estado palestino islâmico. Os membros da Jihad defendem a resistência armada como meio legítimo de alcançar êxito nos seus propósitos.

Embora seja uma força menor em comparação com grupos como o Hamas e o Fatah, a Jihad Islâmica Palestina tem presença constante no conflito israelo-palestino, lançando ataques contra alvos israelenses e promovendo uma agenda radical.

O termo “jihad” é usado no ocidente para caracterizar grupos radicais. No islã, contudo, o conceito é mais amplo: caracteriza a luta – ou esforço – de indivíduo para o seu próprio bem ou em prol do bem coletivo.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações