EUA: violência após morte de homem negro leva estado a declarar emergência

Onda de protestos, incêndios e saques tomou as ruas de Minneapolis após George Floyd, um afro-americano, ter sido morto pela polícia

atualizado 28/05/2020 19:27

O governador do estado de Minnesota (EUA), Tim Walz, declarou estado de emergência, nesta quinta-feira (28/05), além de ativar a Guarda Nacional para responder a saques e protestos violentos nas cidades gêmeas de Minneapolis e Saint Paul (capital do estado), que ocorrem após a morte de George Floyd.

Uma onda de protestos eclodiu em South Minneapolis durante a noite dessa quarta-feira (27/05), com a polícia disparando balas de gás lacrimogêneo e de borracha enquanto as pessoas incendiam prédios e saqueavam lojas dias depois que Floyd, um afro-americano, morreu sob custódia policial.

Funcionários e funcionários eleitos no Capitólio em Saint Paul foram instruídos a evacuar o prédio como precaução, depois que os saques continuaram nas lojas próximas.

Ainda nessa quarta, o presidente Donald Trump se manifestou, no Twitter, sobre a morte de Floyd, e encarregou o FBI de investigar o caso.

“Ao meu pedido, o FBI e o Departamento de Justiça já estão dentro da investigação para essa triste e trágica morte em Minnesota de George Floyd. Eu solicitei que a investigação fosse acelerada e tenho grande apreço pelo trabalho feito pela polícia local”,postou.

À família e aos amigos de Floyd, Trump assegurou que a justiça será feita.

Em Minneapolis, um shopping foi saqueado e um prédio de apartamentos quase completo do outro lado da rua havia sido queimado no piso inferior de concreto. Outras estruturas comerciais também foram severamente danificadas.

O prefeito Jacob Frey pediu no Twitter que as pessoas ficassem em casa. “Por favor, por favor, Minneapolis”, escreveu ele, “não podemos deixar que a tragédia implique mais tragédia. Por favor, ajude-nos a manter a paz. Fique seguro e evacue a área”.

O caso

George Floyd, de 46 anos, foi morto na última segunda-feira (25/05) ao ser abordados por policiais. Vídeos que circularam nas redes sociais mostram a vítima ao chão, imobilizada por um agente, que pressionava com o joelho o pescoço dela contra o chão. Floyd chegou a dizer que não conseguia respirar.

Após a morte, a polícia americana informou que os policiais responsáveis pela morte foi identificados e demitidos. Os manifestantes, no entanto, pedem que eles sejam julgados e punidos pelo crime.

0

Veja imagens da onda de violência:

Últimas notícias