Inflação anual da Argentina chega a 64% em junho, a maior em 30 anos

Os maiores aumentos foram registrados nas área de saúde e alimentos. A inflação registrada no mês de junho é a maior desde 1992

atualizado 14/07/2022 18:59

Reprodução

O Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec) da Argentina divulgou, nesta quinta-feira (14/7), que a variação do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) foi de 5,3% em junho de 2022. Com isso, a inflação acumula alta de 64% nos últimos 12 meses – pior patamar desde 1992.

Em maio, o país registrou uma inflação de 5,1%.

Os itens que registraram maior aumento foram os de saúde, com alta de 7,4%, seguido pelas tarifas de água e combustíveis, com crescimento de 6,8%, no mês de junho.

De acordo com a Pesquisa de Expectativas de Mercado (REM) divulgada pelo Banco Central argentino, a inflação deve atingir 79,2% neste ano.

Quedas no governo argentino

No início do mês,o então ministro da economia da Argentina, Martín Guzmán, publicou uma carta endereçada ao presidente Alberto Fernández comunicando a sua renúncia.

A atual ministra da economia do país, Silvina Batakis, evita fazer qualquer projeção sobre a inflação deste ano.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias