Em meio a crise, Liz Truss demite ministro das Finanças do Reino Unido

Kwasi Kwarteng deixa o cargo após o governo divulgar um plano financeiro controverso que abalou mercados e alarmou agências financeiras

atualizado 14/10/2022 18:26

Kwasi Kwarteng, ministro das Finanças britânico, caiu após plano fiscal desastroso. Na foto ele usa terno e óculos, sorrindo para a câmera - Metrópoles

A primeira-ministra do Reino Unido, Liz Truss, demitiu o ministro das Finanças, Kwasi Kwarteng (imagem em destaque), nesta sexta-feira (14/10). A saída ocorre na esteira do plano anunciado pelo governo que alarmou os mercados sobre os riscos de desequilíbrio fiscal envolvendo um “alívio” nas contas de energia aos consumidores. 

A cadeira de Kwarteng não ficou vaga por muito tempo e ele já tem um sucessor. A página oficial do gabinete de Truss divulgou, há pouco, que o ex-ministro das Relações Exteriores Jeremy Hunt foi nomeado para o cargo. 

O plano fiscal que derrubou Kwarteng envolvia cortes de impostos, aumento dos empréstimos para impulsionar o crescimento da economia britânica – que sente os reflexos da pandemia, da guerra da Ucrânia e dos impactos causados pelo Brexit (a saída do Reino Unido da União Europeia). 

O pacote e os títulos do governo nesta semana, com o anúncio do plano e os temores sobre o futuro da economia do país, despencaram. O mercado temia mais inflação em um momento delicado onde os preços já estão elevados e os países desenvolvidos trabalham com altas taxas de juros.

O plano de Liz Truss também sofreu duras críticas do Fundo Monetário Internacional (FMI). 

Kwasi Kwarteng ficou no cargo por apenas 38 dias – o segundo mandato mais curto da história da pasta. Em 1970, Iain Macleod morreu 30 dias depois de assumir as finanças.

Mais lidas
Últimas notícias