*
 

O resgate da equipe de futebol de meninos tailandeses e do treinador, presos em uma caverna inundada por vários dias, com o mundo inteiro esperando, ansioso, por notícias do resgate espetacular, tem tudo para virar filme.

Os mergulhadores libertaram os últimos quatro dos 12 meninos e o treinador nessa terça-feira (10/7). Um final bem-sucedido para uma missão que chamou atenção do mundo por mais de duas semanas. A saga lembra o resgate de 2010, de 33 mineiros chilenos que ficaram presos por 69 dias em uma caverna, uma história que foi transformada no filme de 2015 The 33, estrelado por Antonio Banderas.

Como o resgate chileno, o drama tailandês mostra a coragem da vida real diante de circunstâncias angustiantes, disse Mike Medavoy, o produtor indicado ao Oscar de The 33. É provável que a saga dos meninos seja transformada em filme ou série de episódios de TV em algum ponto, ele disse.

“É sobre os triunfos de indivíduos e grupos de seres humanos e uma tragédia”, disse Medavoy. “É uma história fantástica.” Produtores como Pure Flix, um estúdio especializado em filmes cristãos e familiares, já estão posicionados para conduzir entrevistas preliminares para um filme em potencial, segundo o canal de notícias australiano AAP.

“Eu vejo isso como um grande filme de Hollywood com estrelas de primeira linha”, disse o sócio-gerente da Pure Flix, Michael Scott. A tentativa de recuperar os meninos e o treinador tornou-se uma corrida contra o tempo em meio à previsão de chuva forte que ameaçava inundar os túneis da caverna. “É uma combinação de muito risco e grande heroísmo”, disse o agente literário Judi Farkas, que representou o autor Antonio Mendez sobre a venda dos direitos de seu livro, Argo, para a produção do filme de mesmo nome, com o vencedor do Oscar Ben Affleck.

No entanto, levar o drama tailandês para a tela enfrenta obstáculos. Primeiro, os cineastas precisam garantir os direitos de cada um dos meninos, do treinador e das famílias, se qualquer um deles quiser retratar o drama em uma obra pessoal. E replicar o resgate na tela pode ser caro. The 33 foi filmado na Colômbia e no Chile e produzido por cerca de US$ 24 milhões. Um filme sobre o resgate tailandês poderia ser feito por menos, disse Medavoy, porque filmar na Tailândia é mais barato.

Mas os cineastas terão um desafio adicional na medida em que o resgate ocorreu em águas turvas e profundas, o que não era um fator no caso chileno. “As cenas de água e mergulho seriam caras”, disse Farkas. “Toda vez que você filma na água é caro.”