Austrália convoca 3 mil reservistas para combate a incêndios

Decisão foi tomada pelo primeiro-ministro Scott Morisson, após população do país questionar a postura dele diante da situação

atualizado 04/01/2020 12:10

Kate Geraghty/The SMH/Fairfax Media via Getty Images

A Austrália convocou 3 mil reservistas das Forças Armadas para combater os incêndios florestais que devastam o país, anunciou neste sábado (04/01/2020) o primeiro-ministro Scott Morrison. Enquanto isso, mais de 100 mil pessoas já receberam ordens para evacuar casas.

“Esta decisão permite ter mais homens no terreno, mais aviões no ar e mais barcos no mar”, declarou Morrison, criticado pelo modo como administrou a crise dos incêndios no início, em setembro.

Milhares de pessoas foram retiradas de casa no sudeste do país, diante da perspectiva do agravamento das condições meteorológicas e do avanço dos incêndios florestais.

O estado de emergência foi declarado no sudeste do país, a região mais populosa, onde mais de 100 mil pessoas receberam ordens de evacuação, em três estados. “Hoje, trata-se de salvar vidas”, disse a primeira-ministra de Nova Gales do Sul, Gladys Berejiklian.

“Literalmente, vimos sair dezenas de milhares de pessoas”, contou o chefe dos bombeiros do estado de Nova Gales do Sul, Shane Fitzsimmons. Os turistas e habitantes do sudeste se lançaram às estradas que ligam as cidades costeiras a Sidney e outras localidades importantes, gerando grandes engarrafamentos.

O sábado (04/01/2020) promete ser um dia “longo” e difícil, avaliou Fitzsimmons. São esperadas temperaturas acima dos 40° e fortes ventos, que poderão avivar centenas de incêndios florestais, a maioria fora de controle.

As condições meteorológicas previstas serão “idênticas ou até piores que as registradas no Natal”, advertiu Jonathan How, do serviço meteorológico australiano. “Os ventos do oeste — fortes e secos — avivarão os incêndios atuais, ameaçando populações que já sofreram uma devastação generalizada”.

Desde o início da temporada de incêndios, em setembro, ao menos 20 pessoas morreram, dezenas estão desaparecidas e mais de 1,3 mil casas foram destruídas.

Últimas notícias