*

Entre as diversas opções de comida indiana disponíveis em Brasília, duas se diferenciam por seu trato simples em apresentar a cultura do país por meio da culinária: o food truck Taj e o restaurante Namaste.

Nos dois projetos, quem comanda o atendimento, o caixa e as panelas é o chef Chandru Balakrishnan. Os dois menus trabalham com preços na casa dos R$ 40.

O Namaste está instalado em um local tranquilo e oferece ambiente com decoração simples, mas sem deixar de passar a atmosfera necessária. Os tecidos em vermelho-escuro, verde e dourado preenchem esse “imaginário indiano”, juntamente com a música lounge.

 

O Namaste trabalha com sete menus executivos, todos em três etapas. A entrada fica por conta dos pastéis samosa (duas unidades de pastel de batata, ervilha e especiarias, com três molhos de acompanhamento), e a sobremesa é o bolinho gulab jamun (bolinha de leite em pó frita lentamente e envolta em calda aromatizada de água de rosas).

O prato principal é quem dita o valor da refeição. São oito: curry de vegetais (R$ 37), cordeiro masala (R$ 47), cordeiro korma (R$ 49), camarão masala (R$ 52), camarão korma (R$ 55), frango masala (R$ 40), peixe masala (R$ 45) e frango korma (R$ 42).

As opções “korma” são temperadas com molho cremoso e frutas secas. Já os “masala” têm cebola, tomate, gengibre, alho e garam masala.

Em termos de cardápio, é uma casa simples de desbravar. Os acompanhamentos dos pratos principais são os mesmos (arroz de jasmim, grão-de-bico masala, salada raita, pão chapati e legumes cozidos).

No final da carta, há algumas opções à parte, com elementos dos pratos separados em porções. O pastel samosa, por exemplo, sai a R$ 7 sem frango ou por R$ 8 com frango. Já para as bebidas, existem opções como suco de tamarindo, lassi de manga (bebida mista de suco com iogurte), lassi de hortelã, chás e cafés à moda indiana.

Hugo Barreto/Metrópoles

 

Taj
Há dois anos, no período da noite, Chandru circula pela cidade com o food truck Taj. O menu é praticamente o mesmo do Namaste, mas não funciona no esquema de três etapas. São vendidos frango masala, samosa, porção de frango frito, gulab jamun, entre outros.

Às segundas, ele estaciona na frente da ONU; às terças, na QI 25 do Lago Sul; às quartas, na Quadra 14 do Park Way; às quintas, no Taquari; e, de sexta a domingo, na 205 Norte.

 

Chandru Balakrishnan é natural da cidade de Cochim, no sul da Índia. O chef tem diploma em gestão de hotelaria com ênfase em trabalhos culinários. Ele está no Brasil há cinco anos, sendo três deles em Brasília. Desde sua chegada ao país, sempre trabalhou com comida, sua paixão.

Antes de iniciar os trabalhos com o Namaste (aberto há 10 meses), ele comandou o Taj Mahal, no Paranoá, com a mesma proposta.

Avenida Belém-Brasília, Lote 16, Acampamento Rabelo, Vila Planalto. Terça a domingo, das 11h às 16h. Mais informações pelo telefone (61) 99236-4623



 

COMENTE

tajnamastêcomida indiana

Leia mais: Comer