Em crise, Botafogo encerra time de vôlei e desiste da Superliga

Equipe carioca justificou racionamento financeiro para anunciar saída da principal competição de vôlei masculino do Brasil

Vitor Silva/Botafogo

atualizado 30/10/2019 19:43

Em grave crise financeira, o Botafogo anunciou nesta quarta-feira (30/10/2019) a paralisação do seu projeto de vôlei. O clube de General Severiano estava participando do Campeonato Estadual e também estava inscrito para a disputa da Superliga Masculina, mas agora abandonou as disputas sob a alegação de estar em fase de “racionalização financeira”.

“O Botafogo de Futebol e Regatas comunica que não irá disputar o Campeonato Estadual Adulto de Voleibol e a Superliga – cuja participação estava condicionada à captação de recursos, que não foram obtidos. Em momento de racionalização financeira, o Clube tentou até o último instante reunir condições para viabilizar a equipe. Por conta da política de austeridade implementada, em que as modalidades dos esportes gerais com grandes investimentos devem se rentabilizar, o projeto precisou ser encerrado”, justifica.

O Botafogo entraria em quadra nesta quarta-feira pelas semifinais do Campeonato Estadual para encarar o Campos, em duelo que valeria uma vaga na decisão contra o Sesc-RJ. Além disso, após vencer a última edição da Superliga B, o time iria participar do torneio da elite do vôlei nacional, marcado para começar em 9 de novembro.

A equipe, porém, vinha sofrendo com a grave crise financeira, o que provocou a saída de vários atletas antes mesmo do encerramento do projeto como os ponteiros Hugo e Leozinho e o levantador Pedro Teles. Ainda assim, seguia com nomes como o líbero Filipe, o oposto Lorena e o central Riad.

Segundo nota oficial, divulgada pelo clube presidido por Nelson Mufarrej, o Botafogo poderá reavaliar a decisão caso consiga um patrocínio para o vôlei no futuro – o projeto teve início em 2015.

“O Botafogo lamenta ter que tomar essa decisão e sabe do choque para atletas, comissão técnica e torcedores, mas entende que esse é o posicionamento necessário em virtude da situação financeira vivenciada atualmente. O Clube está se mobilizando para resolver os problemas existentes e entende que o projeto do voleibol alvinegro poderá ser reavaliado e retomado dentro de uma nova realidade, mas sempre condicionados à obtenção de recursos próprios”, afirma.

Problemas também no basquete
Apesar de se manter na disputa do Novo Basquete Brasil (NBB), o Botafogo também tem problemas na modalidade da bola laranja. O time foi multado nas partidas diante do Minas Tênis Clube e do Brasília por se apresentar para os duelos com menos de dez atletas relacionados, o número mínimo indicado pelo regulamento da competição.

Por conta disso, o Glorioso foi penalizado em R$ 10 mil em cada duelo (R$ 5 mil por atleta a menos). Antes, o clube ainda enfrentara um imbróglio envolvendo o Ginásio Oscar Zelaya, local onde manda as partidas. Por contar com menos de 1000 lugares para torcedores, o espaço foi interditado pela Liga Nacional de Basquete, entidade que organiza o NBB. A casa do basquete do Botafogo só foi liberada, em caráter provisório, no último dia 28, segundo ofício publicado no site da LNB.

Últimas notícias