Nadal define semifinal: “Jogar contra Federer é situação única”

O confronto será o 40º entre os dois tenistas, o primeiro em Wimbledon desde a final de 2008, vencida pelo espanhol

Clive Brunskill/Getty ImagesClive Brunskill/Getty Images

atualizado 10/07/2019 19:25

Classificado para as semifinais de Wimbledon pelo segundo ano seguido depois de ter vencido o americano San Querrey nesta quarta-feira (10/07/2019), o espanhol Rafael Nadal terá pela frente, na próxima sexta (12/07/2019), o suíço Roger Federer na luta por uma vaga na decisão.

Será o 40º confronto entre os dois tenistas, o primeiro em Wimbledon desde a final de 2008, vencida por Nadal e considerada por muitos o maior capítulo da história da rivalidade entre as duas lendas.

“Estar de volta às semifinais e jogar neste nível são boas notícias. Jogar contra Roger é uma situação única. Estar de volta nesta quadra significa muito depois de 11 anos. É emocionante estar diante dessa oportunidade. As oportunidades de jogarmos entre nós são cada vez menores”, afirmou Nadal em entrevista coletiva depois de ter superado Querrey e se colocado entre os quatro melhores de Wimbledon pela sétima vez.

“No momento, estou feliz pelo jogo de hoje. Entendo que a notícia seja Federer, porque é o lógico. A partir de amanhã, pensarei em Federer. Sei o quanto isso significa para o tênis. As oportunidades de nos enfrentarmos não são eternas”, completou o bicampeão do terceiro Grand Slam da temporada.

Os dois tenistas se enfrentaram há pouco mais de um mês nas semifinais de outro Grand Slam, Roland Garros. Quem levou a melhor foi Nadal, que avançou rumo ao 12º título. No entanto, perguntado se esse triunfo lhe dá alguma vantagem para a próxima sexta, o ‘Touro Miúra’ desconversou.

“Daqui a dois dias eu digo a você. É difícil dizer sim ou não. Vou jogar contra o melhor da história desta superfície (grama), então é melhor ter essa vitória do que uma derrota, mas a situação é completamente diferente”, afirmou o espanhol, que vê adaptações no jogo de ambos com o passar do tempo.

“Tivemos que aprender novas coisas porque perdemos outras pela idade. A razão pela qual estamos onde estamos é porque amamos este esporte e o respeitamos. Agora posso correr menos e por isso saco melhor. Talvez golpeie melhor, voleie maior, mas não sei se meu nível de agora ganharia do meu nível de anos atrás”, analisou.

Vencer Federer deixaria Nadal mais perto de se aproximar do recorde de títulos de Slams entre os homens em chaves de simples. O espanhol tem 18 conquistas, duas a mais que o próximo adversário.

“Entendo o que é a rivalidade por quem ganha mais Grand Slams. Qualquer um quer ir além, mas também Federer e eu estamos tendo uma carreira muito melhor do que sonhamos”, disse

Últimas notícias