Justiça do Trabalho afasta Rogério Caboclo da CBF por um ano

Liminar tem como objetivo proteger funcionários que denunciaram o dirigente e estabelece multa diária de R$ 500 mil por descumprimento

atualizado 07/09/2021 10:04

Rogério CabocloLucas Figueiredo/CBF

O Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro determinou na noite desta segunda-feira (6/9) o afastamento de Rogério Caboclo da CBF por um ano. A juíza Aline Maria Leporaci Lopes aceitou o pedido do do Ministério Público do Trabalho que barra Caboclo de retornar e permanecer na entidade até setembro do ano que vem. A informação é do portal “GE”.

De acordo com a magistrada, a decisão tem como objetivo principal proteger os funcionários que denunciaram os supostos abusos do dirigente. Ao todo, três mulheres que trabalharam na CBF fizeram denúncias contra Caboclo. Na decisão, a Justiça fixou uma multa diária de R$ 500 mil caso o Rogério Caboclo não respeite a determinação.

Recentemente, de acordo com a publicação do “GE”, o diretor de Tecnologia da Informação da CBF, Fernando França, denunciou Caboclo por assédio moral depois de se recusar  a grampear, monitorar e quebrar o sigilo fiscal da primeira denunciante. Fernando relata que sofreu injúrias, difamações e agressões ameaçadoras.

O dirigente está afastado do cargo e da entidade desde que as denúncias de assédio moral e sexual vieram à tona, no início de junho deste ano. Atualmente a CBF é dirigida por Ednaldo Rodrigues.

Quer ficar por dentro de tudo que rola no mundo dos esportes e receber as notícias direto no seu Telegram? Entre no canal do Metrópoles.

Mais lidas
Vídeos
Últimas notícias