Uefa anula expulsão de Webó e irá investigar ato de racismo em jogo do PSG

Ele poderá ficar no banco de reservas no jogo contra o time francês, que foi suspenso na terça e será reiniciado nesta quarta, às 14h55

atualizado 09/12/2020 11:40

Reprodução

A Uefa anunciou nesta quarta-feira (9/12) que anulou o cartão vermelho mostrado para o camaronês Pierre Webó, auxiliar técnico do Istanbul Basaksehir, no episódio do suposto caso de racismo envolvendo o romeno Sebastien Coltescu, o quarto árbitro da partida entre o clube turco e o Paris Saint-Germain, na terça, em Paris, pela Liga dos Campeões da Europa.

Desta forma, Webó poderá ficar no banco de reservas no jogo contra o time francês, que foi suspenso na terça-feira e será reiniciado nesta quarta, às 14h55 (horário de Brasília), a partir do minuto 13, no estádio Parque dos Príncipes.

Além disso, a Uefa indicou que pretende iniciar uma investigação sobre o suposto ato racista do quarto árbitro e a aplicação do cartão vermelho. De acordo com a entidade, um inspetor da Comissão de Disciplina já foi designado para o caso.

A arbitragem para a continuação da partida nesta quarta-feira foi modificada pela Uefa. Sebastian Coltescu foi substituído por Bartosch Frankowsky, da Polônia. O árbitro principal será agora o holandês Danny Makkelie, que será auxiliado pelo compatriota Mario Diks e pelo polonês Marcin Boniek. O italiano Marco Di Bello será o principal responsável pelo VAR.

De acordo com o Comitê Organizador da Liga dos Campeões, a medida foi tomada de forma excepcional e com o aval de ambas as equipes envolvidas.

O caso

Aos 13 minutos do primeiro tempo, o quarto árbitro teria ofendido Webó. Revoltado com o episódio, o auxiliar reclamou do tratamento e foi expulso. Prontamente, os jogadores do Istanbul Basaksehir se mobilizaram contra a postura de Coltescu e tiveram a companhia dos atletas do Paris Saint-Germain, liderados por Neymar. Quem comandou o movimento em campo foi o atacante senegalês Demba Ba, do Istanbul, que acabou expulso também.

O protesto teve a participação de jogadores reservas e de membros das comissões técnicas das duas equipes. A partida estava empatada por 0 a 0 antes da suposta ofensa proferida pela arbitragem contra o camaronês.

Um lance envolvendo o lateral-direito Rafael foi o início da discussão. O brasileiro levou cartão amarelo por uma falta. Na sequência, integrantes da comissão técnica do Istanbul Basaksehir foram questionar a marcação da jogada. Durante o bate-boca, Webó e o técnico turco Okan Buruk levaram cartão e alegaram que houve por parte do quarto árbitro uma ofensa racista.

Vídeos
Últimas notícias