Denúncia de assédio contra Rogério Caboclo vira “conduta inapropriada”

Ex-presidente da CBF é afastado por 15 meses. Punição foi decidida pela Comissão de Ética da entidade

atualizado 24/08/2021 22:21

CabocloBuda Mendes/Getty Images

Rogério Caboclo ficará afastado da presidência da CBF por 15 meses. Essa foi a pena definida pela Comissão de Ética para o dirigente, acusado de assédio sexual e moral contra uma funcionária da entidade.

A acusação inicial de assédio foi retirada da denúncia, sendo substituída por “conduta inapropriada”. Em áudios, Caboclo chegou a perguntar para a funcionária se ela se masturbava. Ele também teria tentado obrigá-la a comer um biscoito para cães, chamando-a de “cadela”, entre outros constrangimentos.

A decisão ainda precisa ser alvo de deliberação da assembleia geral da CBF, composta pelas 27 federações estaduais.

Caso a punição permaneça como decidida pela Comissão de Ética, Caboclo poderá retomar seu mandato, que termina apenas em abril de 2023.

Quer ficar por dentro de tudo que rola no mundo dos esportes e receber as notícias direto no seu Telegram? Entre no canal do Metrópoles.

Mais lidas
Vídeos
Últimas notícias