*
 

Artilheiro da Copa do Mundo da Rússia, com seis gols, Harry Kane passou em branco pela primeira vez no torneio, mas, com a vitória da Inglaterra por 2 a 0 sobre a Suécia que garantiu a equipe na semifinal, neste sábado (7/7), em Samara, o centroavante terá pelo menos mais dois jogos para alcançar a marca de Ronaldo Fenômeno.

Em entrevista após a partida, Kane disse que está atrás do feito do ex-atacante, que foi o último jogador a marcar oito gols em uma única Copa. O brasileiro conquistou este feito no Mundial de 2002, disputado na Coreia do Sul e no Japão.

“É indescritível. Tem sido uma grande campanha até aqui. A ideia, para mim, é ajudar o time. Espero que consiga continuar a marcar. Seria incrível (chegar aos oito gols de Ronaldo)”, disse Kane, que poderá igualar ou até ultrapassar o Fenômeno na semifinal ou em uma eventual final. Ou, então, na disputa pelo terceiro lugar.

O triunfo sobre os suecos foi conquistado a partir de jogadas de bolas aéreas, a principal arma dos ingleses. Com dois cabeceios certeiros, o zagueiro Maguire abriu o placar e o meia Dele Alli selou a vitória. Maguire reconheceu que as jogadas são treinadas e poderiam definir a partida.

“Estávamos conscientes do que foi treinado. Sabíamos que as jogadas de bola parada podiam definir a partida. O cruzamento de Lingard a Dele Alli foi muito trabalhado nos treinamentos”, destacou. “Tivemos o controle da bola na partida. Temos que dar crédito ao técnico e aos jogadores pelo trabalho. É fruto de uma preparação muito bem feita”, continuou o defensor.

Marco
De volta a uma semifinal de Copa depois de 28 anos, a seleção inglesa enfrentará na próxima fase o vencedor do confronto entre Rússia e Croácia. O confronto da seleção inglesa que valerá uma vaga na grande decisão está marcado para a próxima quarta-feira (11), às 15 horas (de Brasília), no estádio Luzhniki, em Moscou.

“Nós sabemos que temos um jogo importante pela frente. É a semifinal. Estamos nos sentindo bem e confiantes. Controlamos o jogo e vamos seguir em frente. Queremos dar orgulho ao nosso país”, concluiu Kane.

 

Embora tenha evoluído bastante em termos táticos nos últimos anos, criando equipes capazes de variar bastante as jogadas ofensivas, a Inglaterra voltou às origens e venceu com jogadas aéreas. Os dois gols saíram assim. Os gols foram do grandalhão Harry Maguire, defensor do Leicester que tem 1,94m, e o meia Dele Alli, um dos destaques do Tottenham.

O time inglês vem quebrando tabus neste Mundial. Os ingleses caíram nas quartas de final em seis das 14 edições de Copa que disputaram. Antes de voltar à semifinal depois de quase três décadas, a equipe superou uma decisão por pênaltis, diante da Colômbia, nas oitavas de final, após três fracassos em Copas do Mundo. Os ingleses tinham perdido todas as outras neste tipo de disputa, em 1990, 1998 e 2006.

Desacreditada entre os próprios torcedores por causa da inexperiência dos jogadores – a média é de 25 anos – e a falta de títulos importantes do próprio treinador Gareth Southgate, a Inglaterra é uma das surpresas da Copa do Mundo.

Embalados pela boa fase do time, os torcedores ingleses finalmente foram ouvidos nos gramados da Rússia. Depois de terem sido “engolidos” pelos colombianos em Moscou, eles tomaram conta do estádio de Samara e cantaram durante todo o jogo. Foi um espetáculo à parte nas arquibancadas.

O jogo
Os dois times começaram nervosos, errando passes, o que não aconteceu nos jogos anteriores. Ambos sentiram o peso do jogo. Mesmo com jogadores mais técnicos, a Inglaterra demorou para impor seu jogo. A primeira chance inglesa aconteceu apenas aos 18 minutos, quando Harry Kane chutou rasteiro de fora da área.Foi nesse contexto que saiu o primeiro gol.

Após cobrança de escanteio aos 29 minutos, o zagueiro Harry Maguire subiu de cabeça no meio da área. O jogador do Leicester City nem precisou aproveitar a altura de 1,94m para comprovar a histórica força dos ingleses no jogo aéreo.

Ele ganhou o apelido de Búfalo de Gesso dos torcedores por causa do porte físico e das passadas largas. Chegou ao Leicester em junho de 2017 e, portanto, não participou da campanha do título inglês, um ano antes.A Suécia tentou equilibrar as ações, adiantando as linhas de marcação, mas tinha muitas dificuldades para construir jogadas e explorava os lançamentos longos. Isso facilitava a ação da defesa da Inglaterra sempre com um jogador a mais na marcação.

Com 57% de posse de bola e cinco finalizações contra apenas uma da Suécia, a Inglaterra dominava a partida em Samara. O segredo principal para chegar à semifinal pela primeira vez desde 1990 era neutralizar a bola aérea da Suécia. Foi exatamente o que ocorreu com um minuto do segundo tempo, quando Augustinsson conseguiu boa cabeçada e Pickford fez uma defesa extraordinária.

Foi uma das poucas vezes em que os suecos chegaram com perigo. A Inglaterra conseguiu novamente se impor no jogo. Aos 14 minutos, Lingard recebeu na direita e cruzou para Dele Alli cabecear com os olhos abertos para aumentar o placar e praticamente definir a classificação. O goleiro Jordan Pickford segurou dois bons ataques da Suécia e garantiu a vantagem segura até o final.

Na última vez em que avançou à semifinal de um Mundial, a seleção inglesa foi eliminada pela Alemanha, nos pênaltis, após empate por 1 x 1 no tempo normal e na prorrogação, na Itália, onde foi derrotada também pela seleção da casa na disputa pelo terceiro lugar, por 2 x 1. (Com informações da Agência Estado)

FICHA TÉCNICA

SUÉCIA 0 x 2 INGLATERRA

Suécia: Robin Olsen; Krafth (Jansson), Lindelof, Granqvist e Augustinsson; Ekdal, Larsson, Claesson e Forsberg (Olsson); Toivonen (Guidetti) e Berg
Técnico: Janne Andersson.

Inglaterra: Pickford; Walker, Stones, Maguire e Trippier; Henderson (Dier), Lingard, Young e Dele Alli (Delph); Sterling (Rashford) e Harry Kane.
Técnico: Gareth Soutgate.

Árbitro: Bjorn Kuipers (Fifa/Holanda).

Local: Arena Samara, em Samara (Rússia).

Gols: Maguire, aos 30 minutos do primeiro tempo; Dele Alli, aos 12 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos: Harry Maguire, Guidetti e Larsson.

Público: 39.991 pagantes.