metropoles.com

Após sonhar com redenção, Brasil termina Copa de maneira melancólica

É a sexta vez na história dos Mundiais que a Seleção Brasileira fica pelo caminho nas quartas de final

atualizado

Compartilhar notícia

MARCELO MACHADO DE MELO/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTAD√O CONTE⁄DO
jesus brasil bélgica
1 de 1 jesus brasil bélgica - Foto: MARCELO MACHADO DE MELO/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTAD√O CONTE⁄DO

Poderia ter sido a Copa de Neymar. Poderia ter sido a Copa de Tite. Poderia ter sido a Copa da redenção. De um Brasil que dá certo. Porém, para o craque da Seleção, e para a própria equipe, o Mundial da Rússia terminou de maneira melancólica nessa sexta-feira (6/7) com a derrota por 2 a 1 para a Bélgica, em Kazan, nas quartas de final – um estágio antes da eliminação para a Alemanha quatro anos atrás.

O hexa foi mais uma vez interrompido, agora por um rival forte, competente, formado por atletas habilidosos e experientes e bem armado. Os belgas foram melhores do que o Brasil. Simples assim. Neymar, que disse ter ido à Rússia para ganhar a Copa – e habilitar-se ao título de melhor do mundo -, vai ter de esperar.

O brasileiro, que demorou para se empolgar com a disputa, mas que depois se dobrou a ela e à Seleção, enrola sua bandeira agora e volta para a dura realidade de um país que, assim como nosso futebol, tem um caminho a percorrer para se acertar.

É a sexta vez na história das Copas, considerando-se a da Espanha em 1982 (quando um triangular precedeu a semifinal e teve caráter de quartas), que a Seleção fica pelo caminho nesta fase. Isso ocorreu pela terceira vez nos quatro últimos Mundiais (2006, 2010 e 2018). Em 2014, o time foi mais longe, em quarto lugar após levar 7 a 1 da Alemanha e 3 a 0 da Holanda.

Favorita
Na Rússia, o Brasil chegou com status de favorita, consequência do bem-sucedido trabalho de quase dois anos de Tite à frente do time. Favoritismo que aumentou à medida que Neymar foi se soltando. Ele deixou para trás a contusão no pé direito – que o fez submeter a uma cirurgia e parar por três meses – e foi crescendo jogo a jogo.

Com ele recuperado, e com Cristiano Ronaldo e Messi fora, Neymar teve a chance de assumir a condição de “o cara” da Copa. Mas nesta sexta-feira, no maior obstáculo do time na Rússia, ele falhou. Ele e os companheiros. “Saímos frustrados. A vida segue e temos de seguir. Queríamos essa conquista. Quando se perde, muita coisa é falada. Não dá para pensar em nada agora”, disse Philippe Coutinho.

Neymar foi implacavelmente marcado por Fellaini – ora na bola, ora nas pancadas. Não brilhou. Ao contrário, teve atuação apagada enquanto via o outro camisa 10 no campo, o belga Eden Hazard, mandar no jogo.

Visivelmente incomodado com a falta de espaço, o craque pouco fez. Até arrancadas tentou pouco. Por três vezes, errou lances bobos, falhas que, para um atleta como ele, só acontecem quando a ansiedade passa a dominar os movimentos. Teve como bom momento uma conclusão de fora da área que o goleiro Courtois espalmou. Seria o empate. Não foi. Neymar se despede da Copa de 2018 sem brilho.

Mas Neymar não perdeu sozinho. Isso precisa ficar claro. Nem o jogo nem a Copa. Nesta sexta-feira, por exemplo, Willian voltou a jogar mal como em quase todo torneio. Paulinho não teve novamente fôlego para fazer o vai e vem que a sua função exige. Gabriel Jesus, brigador como sempre, outra vez decepcionou. Foi na Rússia um camisa 9 sem gols.

E Fernandinho, substituto de Casemiro, teve atuação tão ruim que fez lembrar a sua horrível participação na tragédia do Mineirão de 2014. Falhou ao marcar o primeiro gol contra e, no segundo, poderia ter parado a jogada em seu início. Sem contar que, pela primeira vez em que ficou em desvantagem na disputa, os jogadores se mostraram desesperados. O controle emocional e a maturidade, que ajudaram a vencer o México, desapareceram. Assim, o Brasil sucumbiu. Foi um time voluntarioso, atacou bastante, criou chances, mas não fez gols – pode lamentar as boas defesas de Courtois.

O time errou passes. Tite, a cada bola que não entrava, levava as mãos ao rosto, desesperado como o time. No fim, preferiu deixar as deficiências da seleção de lado e elogiar os belgas. “A Bélgica teve três finalizações e foi efetiva. Traduziu em gol suas chances. É duro falar, mas foi um grande jogo. Duas equipes com qualidade técnica impressionante”, disse.

Sob seu comando, o Brasil perdeu pela segunda vez em 26 jogos – 20 vitórias e quatro empates. Foi a sua primeira derrota em jogo oficial – havia perdido amistoso para a Argentina por 1 a 0, no ano passado. Foi também a mais amarga derrota porque lhe tirou a chance de ser campeão. Chance que poderá ter daqui a quatro anos, se a CBF confirmar a disposição de renovar o seu contrato até o Mundial do Catar, em 2022. E se ele tomar mais uma vez o desafio.

A seleção se desfaz neste sábado, em Kazan. Chega ao Brasil na madrugada deste domingo. Os atletas estão liberados.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comEsportes

Você quer ficar por dentro das notícias de esportes e receber notificações em tempo real?

Notificações