Apoiadas por filha de Bob Marley, jogadoras jamaicanas fazem greve

As atletas até então não receberam a quantia prometida pela Federação de Futebol do país de 60 mil dólares

Pier Marco Tacca/Getty ImagesPier Marco Tacca/Getty Images

atualizado 04/09/2019 17:10

As atletas jamaicanas, que fizeram história durante a Copa do Mundo da França — como a primeira seleção caribenha a se classificar para a competição —, estão em greve devido à falta de pagamento de salários por parte da Federação de Futebol da Jamaica. De acordo com o Extra, a dívida é de 60 mil dólares, prometidos pela entidade pela campanha das Reggae Girlz no Mundial e não quitado até então, três meses após a estreia delas no torneio.

No Instagram, jogadoras como a atacante Khadija “Bunny” Shaw estão postando a imagem que diz “Pay our Reggea Girlz. No pay, no play” — em português, paguem as nossas Garotas do Reagge. Sem pagamento, sem jogo —. A atleta incluiu uma mensagem de desabafo na legenda da publicação.

“Isso não é só sobre dinheiro, é sobre mudança. Mudança na maneira em que o futebol feminino é visto, especialmente na Jamaica. Nós merecemos mais e podemos fazer melhor. Por essa razão, eu ao lado das minhas companheiras de time, não vamos participar de nenhum torneio até sermos pagar”.

A seleção da Jamaica teve um patrocínio especial para poder ir para a Copa do Mundo. A filha de Bob Marley Cedella Marley, é embaixadora global do futebol feminino jamaicano e fez a Fundação que leva o nome de seu pai, o falecido músico, se tornar a patrocinadora máster da equipe. Cedella também publicou a imagem da greve e manifestou apoio às atletas: “Eu estou com as Garotas do Reggae!”

 

Ver essa foto no Instagram

 

I STAND WITH REGGAE GIRLZS

Uma publicação compartilhada por Cedella Marley (@cedellamarley) em

Últimas notícias