metropoles.com

Adeus, 2020! Veja os erros cruciais do Flamengo nas duas eliminações no ano

Após um 2019 iluminado, rubro-negro amarga ano turbulento e com duas quedas precoces, para São Paulo e Racing-ARG

atualizado

Compartilhar notícia

Flamengo v Independiente del Valle – CONMEBOL Recopa Sudamericana 2020
1 de 1 Flamengo v Independiente del Valle – CONMEBOL Recopa Sudamericana 2020 - Foto: null

“Outro Patamar”. Foi desta forma que a torcida do Flamengo passou a enxergar o time após o ano de 2019, que entrou para a história do clube. Mas em 2020, o torcedor flamenguista voltou a ver o rubro-negro de antes daquela temporada iluminada e repleta de títulos sob o comando de Jorge Jesus.

Na temporada atual, o time acumula sua segunda eliminação em competições importantes, a última delas em casa para o Racing, da Argentina, acabando com o tão sonhado bicampeonato consecutivo da Libertadores. Mas onde o Flamengo errou?

Aposta no auxiliar

Quando 2020 teve início, o flamenguista tinha certeza que 2019 se repetiria. O ainda time de Jorge Jesus já comemorava novos títulos e não parava de anunciar novas contratações, reforçando ainda mais o elenco multicampeão do ano anterior.

Mas a pandemia do novo coronavírus assombrou o mundo e abalou as estruturas do Flamengo. Isso porque o problema do Covid-19 fez com que Jorge Jesus rumasse a Portugal para comandar o Benfica, encerrando precocemente sua passagem pelo Urubu. E começava a sucessão de azar e erros do rubro-negro em 2020.

O time manteve sua mentalidade de seguir com um treinador estrangeiro e trouxe o espanhol Domènec Torrent. Sem grandes trabalhos no futebol, Dome é mundialmente conhecido por ter sido auxiliar técnico de Pep Guardiola. Era uma aposta muito arriscada.

O trabalho no Flamengo pode ser resumido em três jogos que ilustram bem a passagem do espanhol pelo Flamengo.

O 5 x 0 diante do Indepediente Del Valle, na Libertadores, mostrou o risco que o Flamengo assumira: o clube depositava suas fichas em um técnico que não conhecia as peças do elenco e não conseguiu ter um tempo para trabalhar o time, diferentemente da chegada de Jorge Jesus.

Mas ainda assim, com a força do elenco e com uma qualidade técnica acima da média, o Flamengo se recuperou da derrota e do surto de Covid-19 que acometeu o time, e encaixou uma sequência de vitórias sob o comando de Dome, como o 5 x 1 em São Paulo contra o Corinthians.

Depois de grandes jogos sob a tutela do espanhol, tudo começou a desmoronar. Sem conseguir ajustar a defesa, vazada em quase todas as partidas do time, Dome teve novamente seu trabalho criticado e acabou demitido após goleadas para Atlético-MG e São Paulo. O jogo contra o time de Fernando Diniz foi o último do auxiliar de Guardiola à frente da equipe.

Mais eliminações que vitórias

Com a saída de Dome, o time mais uma vez apostou em um treinador sem trabalhos expressivos. Rogério Ceni deixou o Fortaleza e rumou ao Rio de Janeiro para se tornar o novo técnico do rubro-negro. Ceni chegou na terça-feira e na quarta já comandou a equipe contra o São Paulo, nas quartas de final da Copa do Brasil.

Mesmo após um excelente primeiro tempo, o treinador optou pela saída de Gabriel do ataque na segunda etapa. O atacante vinha fazendo um bom jogo, tendo marcado o gol da equipe na partida. O Flamengo perdeu força na frente e acabou tomando a virada do Tricolor, em falha bisonha do goleiro Hugo Souza.

No fim de semana seguinte à estreia, empate em casa com o Atlético-GO. E novamente o treinador optou pela saída de Gabriel no segundo tempo para a entrada de Lincoln. O atacante perdeu um dos gols mais feitos do ano e o Flamengo tropeçou em casa.

No jogo de volta das oitavas da Copa do Brasil, o Flamengo fez um bom primeiro tempo, mas não conseguiu se aproveitar das falhas do time paulista. Na segunda etapa, acabou castigado, em grande atuação de Luciano. Sem Gabriel, o treinador optou por Vitinho e o atacante isolou um pênalti, que poderia dar sobrevida ao time no duelo.

Nova rodada do Brasileirão e vitória sobre o Coritiba, a primeira sob o comando de Rogério. Após a vitória sobre o Coxa, o Flamengo tinha dois jogos duros contra o Racing, pelas oitavas de final da Libertadores. No primeiro jogo, empate em Avellaneda, com a zaga sofrendo mais um gol apesar do confronto equilibrado em chances.

Na volta, Rogério optou por montar a linha de zaga com Rodrigo Caio e Gustavo Henrique. Sofrendo com a falta de ritmo após um longo período lesionado, o zagueiro acabou expulso e o Flamengo levou o gol logo após a expulsão. Precisando do empate, Rogério abriu mão de Everton Ribeiro e Arrascaeta, em decisão bastante controversa.

Willian Arão acabou salvando a pele do técnico, mas perdeu sua cobrança nos pênaltis e os cariocas acabaram eliminados e deram adeus à chance de mais um título, a segunda eliminação sob o comando de Rogério Ceni.

Agora, o time junta os cacos e só pode tentar conquistar o Campeonato Brasileiro na atual temporada. No sábado (5/12), apesar da péssima campanha do rival no campeonato, faz jogo duro diante do Botafogo.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comEsportes

Você quer ficar por dentro das notícias de esportes e receber notificações em tempo real?