Sindicato do Rio quer cassar registro de ator de Guilherme de Pádua

O agora pastor segue com seu registro de ator ativo mesmo após o assassinato da atriz Daniella Perez, no ano de 1992

atualizado 11/08/2022 12:18

Reprodução

O Sindicato dos Artistas do Rio de Janeiro (Sated-RJ) vai entrar com uma ação para cassar o registro profissional de ator de Guilherme de Pádua, condenado pelo assassinato da atriz Daniella Perez. Mesmo após o caso, o agora pastor segue com seu DRT ativo.

Presidente do Sated-RJ, Hugo Gross disse ao colunista Pablo Oliveira, do Observatório dos Famosos, que o registro de Pádua foi dado pelo sindicato de Minas Gerais, com quem está em contato para cassar o registro.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
0

“Através do nosso setor interno, descobrimos que esse rapaz, esse senhor Guilherme de Pádua, não tem registro através do Rio de Janeiro e, sim, em Minas Gerais. Nós já estamos em contato com a presidente do sindicato, para que possa ser realmente cassado esse registro, bem como também desfiliado do Sated de Minas, se é que ele ainda é filiado por lá”, afirma.

“O Sated de Minas, representado pela senhora Magdalena, junto ao Sated do Rio, estão em uma conversa para que ambos possam solicitar emergencialmente a cassação do registro do ex-ator, Guilherme de Pádua. Para que ele não continue fazendo parte do quadro artístico, de uma categoria tão limpa, uma categoria que preza pela imagem, lisura e transparência”, completou Gross.

Época do crime

Quando questionado sobre o colunista sobre o motivo da DRT de Guilherme de Pádua não ter sido cassada em 1992, quando o crime aconteceu, Hugo Gross afirmou que não era presidente do Sindicato dos Artistas do Rio na ocasião.

“Nós não compactuamos com pessoas que tenham essa tendência de manchar a imagem da nossa categoria. Eu acho que essa ação e esse movimento já tinham que ter sido feitos a muito tempo. Infelizmente eu não era presidente na época, então a gente precisa mostrar que nossa classe é unida, nossa classe é limpa”, finalizou.

Mais lidas
Últimas notícias