Se o autor Aguinaldo Silva não mudar de ideia, tudo indica que Aranha (Paulo Rocha) será o quinto protetor da fonte a ser assassinado pelo misterioso serial killer de O Sétimo Guardião. O médico será atraído para o bordel de Ondina (Ana Beatriz Nogueira) para, supostamente, tomar conhecimento de uma importante pista para elucidar a morte da cafetina. Então, vai beber um gole de um whisky que,
possivelmente, está envenenado com cianureto. Ao consultar uma bola de cristal, Mirtes (Elizabeth Savalla) vai surtar ao ver o filho morto.

Tudo começa quando Aranha recebe, pelo celular, uma mensagem assinada por Adamastor (Theodoro Cochrane), mas enviada por um aparelho desconhecido – atribuído pelo emissor a Luciana (Josie Pessoa) –, porque o telefone do assistente de Ondina estaria quebrado. O texto sugere um encontro no bordel para que o médico tome conhecimento de uma pista importante sobre a morte da cafetina.

Intrigado, Aranha sai de casa e segue em direção ao bordel. Ao chegar, encontra uma mesa contendo um copo e uma garrafa de whisky. Ao lado, um bilhete supostamente escrito por Adamastor contando que foi rapidamente à pousada resolver um assunto e que deixou a garrafa de bebida para que ele honrasse a memória de Ondina, que o abria apenas em ocasiões especiais.

Mesmo sem ter o hábito de beber, o médico coloca um pouco de whisky no copo e bebe alguns goles, pois acredita que está homenageando a antiga companheira de irmandade. O que ele não imagina é que sua mãe, Mirtes (Elizabeth Savalla), consulta a bola de cristal que pertenceu a Milu (Zezé Polessa) e o vê morto. As cenas estão previstas para serem exibidas a partir de 3 de maio.