Guilherme de Pádua toma decisão após doc sobre assassinato de Daniella

Por meio de um vídeo publicado nas redes sociais, o ex-ator anunciou a decisão e disse que "não está se fazendo de vítima"

atualizado 29/07/2022 13:02

Guilherme de Padua, pastor e assassino de Daniella Perez - MetrópolesReprodução/ Instagram

Guilherme de Pádua anunciou, por meio de um vídeo publicado nas redes sociais, que não vai se pronunciar sobre os ataques que está recebendo após a HBO Max lançar o documentário Pacto Brutal: O Assassinato de Daniella Perez.

O agora pastor assassinou a atriz no ano de 1992, junto com sua atual esposa na época, Paula Thomaz. Eles faziam um par romântico na novela De Corpo e Alma, escrita por Gloria Perez, mãe de Daniella.

Caso Daniella Perez: saiba mais sobre a vida e assassinato da atriz

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
0

“Estou me ausentando, parando esse assunto. Eu creio que a fé que carrego vai me ajudar a melhorar como pessoa por dentro e até fazer alguma coisa por outros. Vou continuar nessa fé, não vou largar o caminho que estou seguindo”, disse Pádua em vídeo publicado nessa quinta-feira (28/7).

Ele ainda disse que a orientação de se ausentar partiu de um pastor que o acompanha há mais de 20 anos: “Ele me disse: ‘Filho, vá como ovelha muda ao matadouro, em alusão a uma passagem bíblica. E eu disse: ‘Pastor, mas estão falando absurdos, alguma coisa eu tenho que fazer'”.

“Minha reação natural é de me defender, qualquer um tem direito de resposta no mundo natural, mas eu não vivo mais no mundo natural. Todos os dias quando eu acordo eu me lembro que sou o Guilherme de Pádua, que tenho essa carga nas minhas costas, e toda manhã é uma luta”, pontuou.

Por fim, o ex-ator afirmou que “não está se fazendo de vítima”: “Não estou me fazendo de vítima, mas não é fácil voltar para a mídia depois de 30 anos. Eu cumpri mina pena, fiz tudo o que a Lei me exigiu. Estava levando uma vida digna, discreta. Aquilo que todo ex-presidiário deveria fazer.”

Mais lidas
Últimas notícias