*
 

Tente achar um quadro melhor que o Entrevista com o Especialista, do Lady Night, e falhe miseravelmente. Em sua terceira temporada, o talk show comandado por Tatá Werneck é um sopro de criatividade na televisão brasileira.

Em primeiro lugar, é preciso reconhecer, em seu terceiro ano no comando da atração, Tatá evoluiu muito como entrevistadora. Suas graças e palhaçadas aparecem entrecortadas por perguntas interessantes.

De Juliana Paes a Caetano Veloso, a apresentadora conseguiu arrancar revelações, histórias curiosas e, como já era esperado, muitas risadas. A entrevista com Caetano é um dos destaques da atual temporada: teve beijaço e crítica social.

O ícone da MPB revelou ter bebido muito, contou que pratica exercícios aos 76 anos e fez críticas ao Brasil atual. “Essas ilusões a respeito da ordem, da segurança, durante a ditadura, são ilusórias”, disparou Caetano.

 

Arrancar declarações contundentes do cantor não é, exatamente, algo difícil. Porém, o fato reforça a evolução de Tatá Werneck: de comediante a uma entrevistadora muito engraçada.

Ponto alto
Mesmo com a notória evolução, o grande mérito de Tatá segue sendo a arte de fazer piadas. O quadro Entrevista com o Especialista, certamente, merece o título de Melhor Acontecimento da Televisão Brasileira.

Ágil, nonsense, cômico e atual são adjetivos definidores da atração – que conta com a luxuosa contribuição de Daniel Furlan (Choque de Cultura). O papo com um coach é das melhores coisas já exibidas em rede nacional.

A Globo, inclusive, já anunciou que exibirá na TV aberta – atualmente, o Lady Night passa apenas no Multishow – a partir de 17 de janeiro um compacto dos melhores momentos das duas primeiras temporadas, um total de 13 episódios.

Não se surpreenda caso o Lady Night faça um movimento até então inédito no grupo Globo: migre, em definitivo, do Multishow para a TV aberta. Na verdade, fica o pedido: façam isso!