Seis espetáculos teatrais para conferir em agosto no Distrito Federal

Há peças por todo o DF, das mais variadas linguagens, temas e públicos

Max Rocha / DivulgaçãoMax Rocha / Divulgação

atualizado 02/08/2019 16:26

O “Agosto de Deus” dando as caras, a seca arrasando com as rinites e você ainda reclamando, em pleno 2019, que “não há nada em cartaz em Brasília”. Pois pare de arranjar desculpas e, principalmente, de engrossar as estatísticas de quem nunca foi ao teatro. Quer rir, refletir, dançar e chorar?

Há gosto para tudo ao longo do mês. Seria improvável listar todas as opções, mas seguem algumas sugestões que, ao meu ver, valem levantar a bunda da cama, largar a Netflix por algumas horas e investir no preço da passagem de ônibus ou do litrão (da gasolina).

WC – Uma Tragédia Fedida

O encontro de um agente sanitário com um político jovem em pleno banheiro da Câmara dos Deputados. Assim se desenrola o enredo da nova produção da Casa dos Quatro, com direção e texto do sempre provocador Alexandre Ribondi.

No palco, Marcelo Pelucio vive o agente, enquanto Fernando Oliveira dá vida ao deputado Wagner Cardoso. Todos os sábados e domingos de agosto, a partir do dia 10, sempre às 20h, na Casa dos Quatro (708 Norte). Não recomendado para menores de 16 anos. Ingressos por aqui ou na hora.

Rui Miranda / Divulgação

A Empregada da Sufragista + Duo Camboatá

A força do feminismo negro toma conta do espetáculo A Empregada da Sufragista, que ocupa as terças-feiras de agosto no Setor Comercial Sul. A iniciativa se torna uma opção de cultura durante a semana e de fácil acesso para quem trabalha na região central do DF.

No trabalho, Karine Araujo, Milca Orrico e Tainá Cary abordam feminismo, negritude e empoderamento, com direito à intervenção musical do Duo Camboatá, que surge com cantigas e elementos de capoeira. Nos dias 6, 13 e 20 de agosto, sempre às 20h, no Canteiro Central do Setor Comercial Sul. Ingressos por aqui ou na hora. Não recomendado para menores de 16 anos.

Humberto Araújo / Divulgação

Ator

Um dos mais inventivos palcos da cidade, o Espaço Semente recebe a peça Ator, que versa sobre o dramaturgo, ator, diretor e poeta Antonin Artaud, descrito tantas vezes como “louco e marginal”. Uma belo convite para se conhecer um dos gênios do século 20, sob a interpretação de Daniel Landim.

O release do trabalho nos convida a “devorar Artaud e se lambuzar com questionamentos sobre vida e crueldade para, então, poder regurgitar arte”. Nos dias 17, 18, 24 e 25 de agosto, sempre às 20h, no Espaço Semente (Setor Central, Gama). Ingressos a partir de R$ 10 (meia-entrada). Não recomendado para menores de 16 anos.

Aquela Peça de Shakespeare

O nome do espetáculo é justamente Aquela Peça de Shakespeare, e eu digo logo, em nome da Nossa Senhora dos Spoilers, que estamos falando do clássico Macbeth. Mas sem drama, já que isso não faz diferença alguma (quer dizer, se estamos falando de teatro, bora é se jogar no drama). O título faz brincadeira com a tradição inglesa de se não se falar em voz alta o nome “Macbeth” e, assim, evitar o azar (não, isso não foi uma invenção de Harry Potter).

No Palco, André Amaro, Abaetê Queiroz, Fernanda Cabral e Marcos Davi dão vida a essa história de ambição e amor, com dramaturgia e texto de James Fensterseifer. De 9 a 18 de agosto, no Espaço Cultural Renato Russo (508 Sul). Sextas e sábados, às 20h; domingo, às 19h. Ingressos a partir de R$ 15 (meia-entrada). Não recomendado para menores de 14 anos.

Adla Marques / Divulgação

Afeto / Tabefe

Espetáculo gratuito de dança com Clara Sales, Cristhian Cantarino e Negro Val. Para mim, já seria o bastante para conferir. Mas o texto promocional da peça é ainda mais sedutor. Deixo para eles, então, terminar o convite: “No palco, dois homens e uma mulher, duas brancas e um negro, um goiano e duas nordestinas. Três desejos e uma realidade, três verdades e muitas possibilidades, três potências e inúmeras incertezas, fragilidades em impermanência. Por meio do encontro real entre os corpos dos bailarinos, são resgatadas sensações, reciclando movimentos, sentimentos e memórias em um processo de construção baseado em afecções reais”.

Não entrega muito, mas dá uma vontade danada, né?! (A foto do espetáculo abre este texto). Nos dias 17 e 18 de agosto, no Centro de Dança (SAN, Quadra 1), sendo sábado às 10h, e domingo às 19h. Entrada gratuita. Não recomendado para menores de 18 anos.

Deixe a Luz da Varanda Acesa

Em um enredo de afetos, Deixe a Luz da Varanda Acesa traz uma senhora que se reaproxima da filha de sua companheira, de quem ficou afastada por 20 anos. A dramaturgia recorre a experiências vividas por Áurea Liz, que também atua no espetáculo, mas que afirma não se tratar de uma autobiografia.

O trabalho ganha intensidade sensorial apurada por causa do cuidado com a cenografia e com o olfato, responsável por nossas mais antigas memórias. Uma viagem ao passado. Nos dias 16 e 17 de agosto, sempre às 20h, no Imaginário Cultural (QS 103, Samambaia Sul). Ingressos a partir de R$ 5 (meia-entrada). Não recomendado para menores de 14 anos.

Bônus: sugestões extras

Chegaram várias outras sugestões de espetáculos, mas não tive acesso ao material completo das peças. De qualquer forma, são indicações de fortes nomes do teatro que sabem do que estão falando. Entre eles, destaco os trabalhos Zezinho e o Livro Mágico, que vai rolar em Águas Claras no dia 10 de agosto; e Minhoca, nos dias 7, 8 e 9 de agosto no Sesc Garagem. Para mais informações, rola aquele Google básico de cada dia.

Bônus: Cena Contemporânea

Agosto é o mês do maior e mais importante festival de teatro do Centro-Oeste, o Cena Contemporânea, que toma conta do Distrito Federal há duas décadas. Em breve, teremos um texto à parte somente sobre o evento.

Últimas notícias