*
 

Um dia após o anúncio de reabertura do Teatro Nacional Claudio Santoro encher de esperança os brasilienses, veio o balde de água fria. O secretário de Cultura do Distrito Federal, Guilherme Reis, adiantou, com exclusividade ao Metrópoles, que o espaço não será entregue à população em 2017.

O secretário afirmou que o processo de captação dos recursos é lento e tomará tempo. “Organizamos um passo a passo para a restauração do teatro. No primeiro momento, vamos buscar o dinheiro necessário para a reforma por meio da Lei Rouanet, por exemplo”, explicou Guilherme Reis.

O titular da pasta da Cultura não soube especificar o valor total das obras, que tiveram uma redução em relação ao projeto original. A proposta anterior previa a construção de nove escadas, dois banheiros e a futura sede da Orquestra Sinfônica.

No anúncio feito na quinta-feira (12), quando o governo federal comunicou a reabertura do complexo cultural, foi informado que, “em curto prazo”, seria feita a primeira intervenção, no foyer da Sala Villa-Lobos.

Daniel Ferreira/Metrópoles

Guilherme Reis: 2017 será dedicado a captar recursos

 

Descaso total
Nessa sexta-feira (13), o Metrópoles voltou ao Teatro Nacional e teve acesso ao interior da Sala Villa-Lobos. Assim como na Sala Martins Penna, o cenário é desastroso. O espaço, que já recebeu grandes nomes da cultura brasileira, está entregue aos insetos e lotado de entulho. A estrutura também foi comprometida, com goteiras.

O interior do Teatro Nacional reflete, de forma melancólica, o resultado dos últimos três anos de má gestão de um dos cartões-postais da capital federal. Devido à poeira acumulada no carpete e no estofado das poltronas tanto na Sala Martins Penna quanto na Sala Villa-Lobos, o ar está pesado e é difícil até respirar. As fotos mostram o descaso total e absoluto.

 

Do lado de fora, há pichações na fachada, calçadas destruídas, restos de materiais usados para o consumo de drogas, especialmente crack. Fechado há três anos, o teatro acumula cadeiras rasgadas, carpetes soltos, palco quebrado, goteiras, vidros arrebentados e muito entulho.

 

 

COMENTE

Guilherme ReisSecretaria de CulturaTeatro Nacional Claudio Santoro
comunicar erro à redação

Leia mais: Política