Há 13 anos no ar, Pauta Musical celebra o mundo da música erudita

Com apresentação de Ana Lucia Andrade, o programa teve início em 2008 pela Rádio Câmara FM 96,9. Hoje é transmitido até na Europa

atualizado 30/07/2021 12:03

Yanka Romão/Metrópoles

A música erudita ecoa por todos os lugares. Das grandes casas de espetáculos aos parques e praças públicas. Das trilhas sonoras dos blockbusters à recente apresentação da ginasta Rebeca Andrade nas Olimpíadas de Tóquio 2020 — sim, a medalhista brasileira uniu a célebre Toccata and Fugue, de Johann Sebastian Bach, ao Baile de Favela, de MC João, durante solo que lhe rendeu a prata no competição individual geral.

Essa popularização da música de concerto no Brasil e no mundo é fruto de esforços como o da jornalista e agente cultural Ana Lucia Andrade, que completa 13 anos à frente do programa Pauta Musical, na Rádio Câmara FM 96,9, no próximo dia 17 de agosto. Responsável pela direção artística e apresentação da atração, a carioca radicada em Brasília promove o acesso de crianças, jovens e adultos ao universo de artistas renomados como Villa-Lobos, Verdi, Mozart e Beethoven, entre outros.

“Ao longo desses anos, o Pauta Musical colabora com a formação de plateia, sensibilizando novos públicos e desmistificando uma ideia equivocada que se faz em torno da música de arte. Além de promover músicos de Brasília que sempre precisam de mais uma vitrine para promover seus trabalhos”, explica Ana Lucia Andrade.

Com 60 minutos de duração, o programa de rádio vai ao ar nos sábados, às 7h30, e domingos, às 22h. A atração apresenta sinfonias e convida o ouvinte a uma viagem pelo mundo da música clássica, com passeios pelas criações de gênios e prodígios – tudo combinado com informações sobre fatos marcantes das vidas dos compositores e as inspirações de suas obras.

Ana Lucia Andrade elaborou o Pauta Musical em 2008. Hoje o programa é reproduzido em mais de 2.600 rádios brasileiras

Neta de uma italiana soprano lírico, Ana tomou gosto pelo estilo musical ainda na infância. “Minha avó não era cantora profissional, cantava em concertos beneficentes, no Teatro Municipal do Rio, para a sociedade carioca… Quando ia de férias, me impressionava vê-la e ouvi-la com os maestros. Isso marcou meu imaginário infantil de forma definitiva”, afirma Ana.

Na juventude, a radialista apurou o talento herdado com aulas de canto lírico e de instrumentos como piano e violão. Já adulta e formada em comunicação, viu no convite para criar o programa uma oportunidade de estabelecer um canal de propagação da música erudita, em especial na sociedade brasileira, que, segundo Ana, “carece de meios de promoção e divulgação desse gênero”.

O sucesso imediato fez com que o Pauta Musical ultrapassasse as fronteiras do Distrito Federal e fosse transmitido também para mais de 2.600 rádios nas cinco regiões do Brasil. Em 2010, o programa estreou na Europa, em uma parceria com a rádio CSB e apoio do Instituto Camões. Na playlist, Ana destaca o talento de compositores e intérpretes brasileiros e brasilienses de várias gerações.

Ana salienta, ainda, que a longevidade da atração é mérito também dos ouvintes. “Sempre tivemos retornos maravilhosos de pessoas de todas as classes sociais, credos, faixas etárias e níveis de instrução, que nos apoiam e estimulam a continuar com o projeto no ar”, conta.

Reinvenção

Ana avalia que, se por um lado a pandemia da Covid-19 dificultou a execução da orquestras, com o fechamento prolongado de teatros, interrupções de turnês e salários de músicos atrasados, por outro obrigou o setor a buscar soluções criativas e encontrar novos espaços.

“Como tudo o mais no mundo, a pandemia fez com que a música erudita se reinventasse para garantir a sua sobrevivência, aproveitando as inovações tecnológicas. Vemos o gênero muito presente nos streamings, nas salas digitais… nas lives. Imagine juntar todos os elementos de uma orquestra sinfônica e o maestro a reger cada uma delas de suas casas. É fantástico! As vias hoje são múltiplas”, acredita a apresentadora.

Futuro do Pauta Musical

Durante a trajetória, o programa de rádio conta apoio de instituições públicas e privadas para se manter no ar, como embaixadas de diversos países que, entre outras ações, fornecem materiais de pesquisa como livros da história ocidental e CDs de óperas. “Eles também me ajudaram muito trazendo seus artistas e assim tive a oportunidade de conhecer grandes músicos internacionais que vêm pouco ao Brasil”, diz Ana.

Atualmente, porém, muitos desses apoios se esvaziaram durante a quarentena e Ana precisa buscar novos patrocinadores para o Pauta Musical, que gera cerca de cinco empregos, a continuar ativo. Entre os auxílios, a radialista espera a aprovação de um projeto enviado ao Fundo de Apoio à Cultura (FAC). “Tivemos sorte até aqui, mas como o FAC não é um patrocínio integral, busco ainda um mecenato que nos ajude a levar esse projeto adiante. Levar para além do que já conseguimos conquistar”, conclui Ana Lucia Andrade.

Últimas notícias