Muito além do pop: artista se destaca na web tocando música antiga

Aria Rita, de 22 anos, lançou projeto de crowdfunding. A ideia é receber apoio de patrocinadores para continuar postando seus vídeos

Vinícius Santa Rosa/MetrópolesVinícius Santa Rosa/Metrópoles

atualizado 13/08/2019 11:34

Gaúcha da cidade de Rio Grande (RS), Aria Rita vem conquistando milhares de fãs e seguidores. Mas, engana-se quem, por preconceito ou desinformação, achar que ao pesquisar pela jovem na internet irá encontrar mais uma cantora e performista de funk ou pop. O “lance” da musicista, de 22 anos, é a música antiga — como são chamadas todas as composições feitas antes do ano 1750 —, com instrumentos dedilhados históricos, a exemplo do alaúde.

Para bancar o sonho de viver do estilo, ainda pouco popular no Brasil, a artista independente acaba de lançar um projeto de crowdfunding. A ideia é receber apoio de patrocinadores para continuar “criando conteúdos livres e gratuitos sobre música medieval, renascentista e barroca” nos seus canais oficiais no YouTube, Facebook e Instagram. As pessoas interessadas podem contribuir com valores modestos, entre R$ 1 e R$ 10, mas de grande valia para o trabalho de Aria.

Radicada na capital federal desde os 13 anos, foi aqui no cerrado que ela se reencontrou, primeiro com a música — ao ingressar nas aulas de alaúde na Escola de Música de Brasília, aos 14 —, e, depois, com o espelho. “Eu tinha 17 anos quando iniciei a transição e vivi uns dilemas nessa época por não ter uma referência, em quem me inspirar”, conta Aria.

Vocação e maturidade

De acordo com a jovem, a falta de representatividade na música antiga a levou a se afastar, temporariamente, da vocação. “Eu via as travestis cantando funk, pop internacional e eu não me identificava. Até que um dia eu parei de pensar nisso, decidi fazer o que eu gostava sem me importar com nada além do ofício”, explica a estudante, que acaba de concluir o curso superior de música na Universidade de Brasília (UnB).

Madura, bem resolvida e com o apoio dos familiares, especialmente da mãe, a violonista deixou de ver sua condição de gênero como uma questão. “Por mais que seja transversal e afete todos os âmbitos de quem eu sou, eu quase nem lembro disso. Não é um problema. Nunca sofri preconceito no meu ambiente de trabalho. Quando a gente se esforça e mostra que é capaz e que tem coragem, as pessoas pelo menos param de mostrar o que pensam”, ressalta.

Vinícius Santa Rosa / Metrópoles
Aria Rita produz, sozinha, os vídeos que divulga na internet. Além de criar arranjos das canções, a instrumentista aparece tocando diversos instrumentos
Normalização

“Eu me identifico assim (como travesti) porque é realmente como eu me sinto. Minhas referências de transição nunca foram mulheres, sempre as travestis. Acho importante a gente se diversificar na cultura, mas não tenho como objetivo fazer isso para higienizar nenhum estereótipo. Eu quero que outras travestis, e também as mulheres trans, se sintam à vontade para ocupar os mesmos espaços que eu, se assim quiserem”, explica a instrumentista.

Vinícius Santa Rosa/Metrópoles
Além das apresentações solo, Aria Rita integra o Trio Folias Vilãs, ao lado de Fernando Almeida (violino barroco) e Águeda Macias (viola da gamba)
Projetos

Aria dedica-se integralmente à música antiga. Para garantir o sustento, dá aulas de violão, alaúde e canto, além de realizar apresentações solos em bares e eventos culturais da cidade. A musicista também integra o Trio Folias Vilãs, ao lado de Fernando Almeida (violino barroco) e Águeda Macias (viola da gamba). “Independente do gênero, a vida do músico no Brasil não é fácil”, reforça.

Atualmente, o projeto que tem lhe rendido mais visibilidade é a produção de vídeos onde aparece não só tocando, mas explicando a rotina como artista independente e os bastidores de gravações de faixas como Canários e Marionas, também disponibilizadas no Spotify.

 Vinícius Santa Rosa / Metrópoles
Carreira internacional, por que não? Mas antes quer mostrar aos brasileiros a beleza da música milenar
Sonhos

A artista sonha, ainda, em viajar mundo afora representando o estilo. “Aqui, as pessoas não são estimuladas a consumirem esse tipo de música, mas na Europa e no resto do mundo em geral é bem popular. Lá fora, o alaúde e a flauta doce, por exemplo, são considerados instrumentos de concerto como quaisquer outros”, diz.

Antes disso, porém, prefere ficar focada em produzir conteúdos interessantes, frutos de muita pesquisa e estudo. “O movimento da música antiga existe há 70 anos no país. Quero mostrar que esse estilo não é tão exótico quanto as pessoas pensam “, conclui.

Últimas notícias