Chegando à 18ª edição, a Mostra do Filme Livre reúne 155 filmes brasileiros em sessões com entrada gratuita no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) de Brasília. As exibições começam nesta terça (16/04/19) e seguem até 12 de maio.

Como adianta o próprio nome do festival, o evento busca traçar um painel do cinema independente brasileiro, pinçando sobretudo filmes realizados sem apoio de editais, patrocínios e leis de incentivo. “A gente também aceita produções com patrocínio, não é excludente. Claro que há exceções”, avisa Guilherme Whitaker, criador e um dos curadores da seleção.

 

Mas o cerne do Filme Livre é mesmo a ousadia: títulos que desafiam convenções de linguagem, trazem temas urgentes e apresentam personagens instigantes. “Envolve desde filmes infantis a eróticos, de gênero, experimentais, que fazem parte desse grande escopo da eclética produção independente brasileira”, aponta.

Quatro curtas-metragens representam Brasília e estrearam no 51º Festival de Brasília, no ano passado: A Praga do Cinema Brasileiro, de William Alves; Aulas que Matei, de Amanda Devulsky e Pedro B. Garcia; Entre Parentes, de Tiago de Aragão; e O Mistério da Carne (foto em destaque), de Rafaela Camelo.

“A grande maioria dos títulos tem esse viés alternativo, caseiro, autoral. Filmes feitos por coletivos ou pequenas empresas e que não podem esperar por editais para serem feitos. Até porque eles [editais] estão cada vez mais raros. Nos últimos meses e anos, tem havido um corte nos investimentos culturais”"
Guilherme Whitaker, criador da mostra

Temática e esteticamente, a seleção dos “filmes livres” traz temas de relevo no Brasil contemporâneo, como a questão da terra e dos direitos de LGBTS, negros, mulheres e outras minorias. “Assuntos que, muitas vezes, não têm tanta visibilidade na grande mídia”, lembra Whitaker.

Em 2019, a mostra presta homenagem aos cineastas Sylvio Lanna e Geneton Moraes Neto (1956-2016), também jornalista de reconhecimento nacional.

A curadoria celebra o incansável Julio Bressane, veterano de carreira marcada por filmes poéticos e experimentais como Matou a Família e Foi ao Cinema (1969) e Filme de Amor (2003). Serão exibidos seus dois trabalhos mais recentes: Sedução da Carne, estrelado por Mariana Lima, e Nietzsche Sils Maria, documentário coassinado por Rosa Dias e Rodrigo Lima.

18º Mostra do Filme Livre
Desta terça (16/04/19) a 12 de maio, na sala de cinema do Centro Cultural Banco do Brasil – CCBB (Setor de Clubes Esportivos Sul, Trecho 2, Lote 22). Telefone: (61) 3108-7600. Entrada gratuita mediante retirada de ingressos na bilheteria. Programação completa no site oficial. A classificação indicativa varia de acordo com os filmes em exibição