Carnaval 2020: Sereias Tropicanas colore o Setor Comercial Sul

Desfilando pelo segundo ano, o bloco tem como lema a diversidade e o respeito

atualizado 24/02/2020 19:43

Jacqueline Lisboa/Especial para o Metrópoles

No final da tarde desta segunda-feira (24/02/2020), a chuva que caía sobre o Setor Comercial Sul foi diminuindo e, com isso, o público voltou a encher o local. Com o tempo mais propício para a folia, os brasilienses curtiram a festa carnavalesca.

No Palco 24, a segunda edição do bloco Sereias Tropicanas reúne 7 mil pessoas nas apresentações. Os shows, ao ar livre, tiveram início às 16h e seguem até as 23h.

0

“É um bloco da diversidade, que prega o respeito”, enfatizou Loren de Oliveira, uma das organizadoras.

Segurança

Fantasiadas de Meninas Superpoderosas, as estudantes Jéssica Cardoso, 22 anos, Fernanda Ramires, 19, e Isabella Ferreira, 20, participam do bloco pela primeira vez neste ano.

“Gostamos da segurança. É um bloco LGBT e isso já nos atrai muito, como mulheres, pela segurança mesmo”, destacou Fernanda.

Durante o evento, o público repetiu gritos de protesto contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). As reclamação são comuns em blocos LGBTQ+ que se apresentam no Carnaval brasiliense deste ano. “Ei, Bolsonaro, vai tomar no cu”, diziam.

Rafael Wellington, 20, reforçou o fator segurança da folia no local e elogiou o evento. “Estou adorando. Está seguro e as músicas estão ótimas, variadas”, frisou o estudante. “Por ser um bloco LGBT, atrai muita gente e fica cheio, mas isso não me incomoda. Faça sol ou faça chuva, a gente está no bloco”, acrescentou.

Diversidade

Mariana Jacob, 34, que estava no bloco Sereias Tropicanas, não foi apenas para curtir o Carnaval como também para se manifestar contra o atual governo.

“Estou achando incrível. A diversidade é maravilhosa, a inclusão é maravilhosa e Carnaval é isso”, disse a servidora pública.

“Aqui, eu me sinto à vontade. No Brasil, os índices de feminicídio só aumentam e sabemos que o governo atual não tem propostas para dar maior atenção às mulheres, às minorias. E este é um bloco de resistência, porque Carnaval é um momento político também”, salientou.

Fábio Oliveira, 48, deixou São Paulo para morar na capital há 3 anos e celebra, nesta segunda (24/02/2020), a festa do Sereias Tropicanas pela primeira vez. “Excelente o bloco. A diversidade é a melhor coisa que a gente tem. Aqui, está todo mundo junto e misturado, se respeitando”, enfatiza.

Assim como muitos foliões, o analista de sistemas participou da festa usando adereços políticos na fantasia. “O Brasil não é feito de ódio. Esse momento de ódio é apenas uma pequena parcela da população tentando mudar o que é a nossa essência. Então, a gente tem que incentivar o Carnaval, porque é o nosso momento de protestar contra tudo isso que discordamos nesse governo”, assinalou Fábio.

Últimas notícias