UnB aprova passaporte da vacina para acesso ao RU e à biblioteca

A previsão é que o novo semestre tenha início em 17 de janeiro de 2022. Alguns grupos poderão permanecer em home office

atualizado 12/11/2021 14:27

UnB Rafaela Felicciano/Metrópoles

O Conselho de Administração (CAD) da Universidade de Brasília (UnB) aprovou, na quinta-feira (11/11), a necessidade de apresentação de comprovante de vacinação completa contra Covid-19 para acessar a Biblioteca Central (BCE) e o Restaurante Universitário (RU) do campus Darcy Ribeiro. A resolução entra em vigor 15 dias após a sua publicação.

Agora, cada setor deve regulamentar a medida internamente, e o cartão de vacina pode ser exigido para a utilização de alguns outros espaços da universidade. Na UnB, as unidades acadêmicas devem seguir o Plano Geral de Retomada das Atividades.

A previsão é que o novo semestre tenha início em 17 de janeiro de 2022, de forma híbrida. A universidade prevê que disciplinas práticas terão prioridade na retomada das atividades presenciais no próximo semestre letivo. De acordo com a UnB, a orientação é que estudantes e servidores tenham a opção de desempenhar suas atividades remotamente.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
0
Trabalho remoto

Servidores responsáveis por cuidados com pais idosos ou com filhos de até 2 anos que não frequentam escola podem permanecer no home office. De acordo com a resolução, por meio de autodeclaração, tabagistas, obesos e maiores de 60 anos também não precisarão voltar para o presencial.

As unidades administrativas e acadêmicas deverão disponibilizar, em seus canais oficiais, a quantidade total de trabalhadores em regime presencial e em modalidade remota. O Decanato de Gestão de Pessoas encaminhará às unidades acadêmicas e administrativas as orientações para cumprimento da Resolução.

Vacina

A UnB está com uma pesquisa social em curso e o resultado preliminar demonstra que 98% dos estudantes estão completamente imunizados ou já tomaram a primeira dose. Entre os técnicos, o índice é de 97%, e, entre os docentes, é de 99%.

Mais lidas
Últimas notícias