*
 

Os usuários do Metrô terão pelo menos 18 trens rodando nos horários de pico, nesta segunda-feira (12/11). Das 6h às 10h e das 16h30 às 20h30, as 24 estações estarão abertas mesmo diante da greve dos metroviários, iniciada na última quinta-feira (9/11). Os servidores da Companhia do Metropolitano do DF interromperam a paralisação neste domingo (12) para atender os estudantes que fariam o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), mas o movimento será retomado nesta segunda.

Os 18 trens representam 75% da frota e são a garantia dada pelo Metrô, apesar de decisão judicial exigir 90% de funcionamento. Embora não tenha cumprido até agora, o Sindicato dos Metroviários (Sindmetrô) afirma que manterá a atividade nos horários de maior fluxo de pessoas. “Colocaremos o quantitativo necessário, mas a decisão de fechar as estações nos últimos dias foi do Metrô. Eles alegaram que não mandamos uma lista, mas isso não ocorreu”, afirmou o secretário de Assuntos Jurídicos do sindicato, Leandro Santos.

Em acordo durante audiência de conciliação na tarde da última sexta-feira (10/11), no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-10ª), ficou decidido que a greve continuava. O GDF não apresentou proposta à categoria e repetiu o discurso de que não há dinheiro em caixa para atender aos pleitos da categoria.

Os servidores não abrem mão de ter suas reivindicações — reajuste salarial e contratação de concursados — atendidas. O juiz Pedro Foltran deu prazo até segunda-feira (13) para o Sindmetrô apresentar defesa e se manifestar sobre requerimento feito pelo GDF para que a paralisação seja considerada abusiva e ilegal. Já a Metrô-DF terá até a quinta (16) para réplica. Além disso, o Executivo se comprometeu a apresentar proposta de cronograma para nomeação de aprovados no concurso público.

Neste domingo, o Sindimetrô divulgou uma nota sobre a paralisação. Confira:

O Sindmetrô/DF informa a todos que nesta segunda-feira, dia 13, os funcionários retomarão a greve. O quantitativo de funcionários será o mesmo estabelecido nos dias 9 ,10 e 11 de novembro, porém a iniciativa de fechar as estações, vem do Metrô.

Entendemos a necessidade da população em usar o transporte e um transporte de qualidade e segurança, por isso nos colocamos sempre à disposição do GDF e Metrô/DF para negociação, mas, infelizmente, não recebemos nenhuma proposta de cumprimento do acordo firmado em 2015.

Estamos aguardando uma resposta na luta por nossos direitos e preocupados com as pessoas que dependem do Metrô, que sofrem junto com a categoria pela falta de proposta para nomeação dos aprovados no concurso de 2014, no número acordado e necessário para a melhoria da prestação de serviço no metrô, por parte do Governo, causando um problema que atinge toda a população usuária do sistema.

Estamos ansiosos para retomar nosso trabalho, para continuar prestando um serviço de excelência a todos, mas precisamos recorrer ao uso dos nossos direitos para atendimento das reivindicações de cumprirem com o compromisso assumido com a categoria, há quase três anos atrás, para que possamos trabalhar mais tranquilos e possamos sofrer menos com a situação de descaso e desrespeito aos trabalhadores e ao transporte metroviário.

População, estamos sofrendo junto com vocês! Já perdemos durante 30 meses e não podemos aceitar nenhum direito a menos! Metroviários, continuemos na luta! Que todos possam nos entender e lutar, juntos, por uma vida mais digna e um Estado melhor. Somos todos cidadãos! Juntos somos mais fortes!

 

 

COMENTE

metrôGreveGDFservidores
comunicar erro à redação