DF tem protesto contra reajuste das tarifas de ônibus e metrô

Ato reuniu manifestantes na 703/704 Sul. Após fechar trânsito na W3, eles partiram em direção à Rodoviária do Plano Piloto

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 14/01/2020 21:53

Usuários de transporte público do Distrito Federal se reuniram nesta terça-feira (14/01/2020), na Praça do Compromisso, 703/704 Sul, em protesto contra o reajuste de 10% nas tarifas de ônibus e metrô e fecharam trecho da W3 Sul.

Policiais usaram spray de pimenta para liberar uma das três faixas da via e permitir o fluxo de veículos. Ainda assim, o engarrafamento ficou intenso na região.

Aos gritos de “Eu não sou otário, esse aumento só é bom para o empresário” e “Mãos ao alto, a tarifa é um assalto”, os manifestantes seguiram em passeata pela W3 Sul em direção à Rodoviária do Plano Piloto. Eles chegaram ao terminal por volta das 20h.

Nas mãos, os ativistas carregavam cartazes que chamavam o aumento das passagens de “assalto” e “crime contra o trabalhador”.

Três viaturas da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) e um carro da Secretaria de Segurança Pública (SSP) acompanhavam os manifestantes ao longo do trajeto.

Veja imagens:

Em entrevista ao Metrópoles, o integrante do Movimento Passe Livre do DF (MPL-DF) Pedro Buriti, 19 anos, criticou a decisão de alterar o preço dos tíquetes.

“Esse ato é para mostrar que o transporte público é nosso, e não do empresário. O governo quer nos convencer de que a gratuidade é o problema, quando nós sabemos que o problema é o repasse absurdo às empresas de ônibus”, disse Pedro Buriti.

O estudante cobrou mais transparência nas contas públicas da Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob). “Nós não conseguimos ter acesso ao valor dos repasses. Eles escondem isso de nós e querem que acreditemos que o problema está nas passagens gratuitas”, argumentou o jovem.

O também estudante Douglas Melo, 25, criticou a qualidade do transporte público brasiliense. “É deficitário. Muito nos estranha que o governo tenha aumentado a passagem enquanto reduziu o IPVA [Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores]. O movimento deveria ser contrário: o governo deveria estimular o uso do transporte público para reduzir o número de carros nas ruas.”

Novos valores

O reajuste nas passagens de ônibus e de metrô foi fixado em 10% para todas as tarifas. Ou seja, a de R$ 2,50 passou para R$ 2,75; a de R$ 3,50 ficou em R$ 3,85; e a de R$ 5 subiu para R$ 5,50.

O aumento, que passou a vigorar na segunda-feira (13/01/2020), foi autorizado em decreto na última quinta-feira (09/01/2020) e publicado no Diário Oficial do DF (DODF) de sexta (10/01/2020).

Últimas notícias