Servidor e privatização dominam reunião entre Ibaneis e oposição

Em conversa nesta segunda-feira, os dois lados fizeram elogios, mas mantiveram as diferenças, principalmente, do ponto de vista ideológico

atualizado 16/12/2019 14:08

Privatização, carreira do servidor, papel do Iges e posicionamento da oposição na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF). Cinco deputados distritais estiveram com o governador Ibaneis Rocha (MDB), na manhã desta segunda-feira (16/12/2019), para debater sobre diversos assuntos.

A reunião durou cerca de 50 minutos. Apesar de nenhuma decisão prática ter saído da conversa, os dois lados consideraram o resultado positivo. Um dos pontos discutidos foi o pagamento da terceira parcela de reajuste dos servidores do GDF.

“A primeira questão era ajustar as contas. O negócio é: teremos recursos para isso acontecer no ano que vem? É um assunto que precisa ser melhor debatido e estudado para saber se e quando isso pode ser feito”, afirmou o secretário de Relações Parlamentares, Bispo Renato.

Segundo Chico Vigilante (PT), um dos presentes, o governador se comprometeu a incluir dos distritais na discussões a respeito do aumento salarial de servidores. “Ele disse que está disposto a discutir uma política salarial para o próximo ano”, afirmou.

Também participaram da reunião no Palácio do Buriti, Arlete Sampaio (PT), Fábio Felix (PSol), Leandro Grass (Rede) e Reginaldo Veras (PDT).

“O governador falou que para o ano que vem é uma prioridade abrir esse diálogo com as categorias a fim de pensar a recomposição salarial e a terceira parcela do reajuste. Ele disse que quer achar uma saída orçamentária e tem compreensão de que os servidores estão num processo de defasagem salarial grande. Anunciou, também, que o plano de saúde deve sair em maio”, resumiu Felix.

Iges-DF

Todos da oposição manifestaram preocupação com as privatizações. Da mesma forma, eles se colocaram contra a força do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (Iges-DF).

“Ficamos satisfeitos com alguns apontamentos e nos mostramos contrários a outros, como a questão da privatização da CEB, que consideramos um equívoco. Mas vamos seguir na construção do diálogo, sem precisar fazer chantagem com o governador”, argumentou Grass.

Principalmente sobre o Iges-DF, Bispo Renato disse que a maioria dos deputados se mostrou propensa em continuar ajudando. “Claro que os deputados da oposição têm um ponto de vista diferente, mas que pode avançar em reuniões futuras com o governador para discutir melhor esse assunto.”

Arlete Sampaio também aponta para o diálogo. “Deixamos claro que somos contra a militarização, o Iges-DF, entre outras coisas, mas temos ajudado no que podemos melhorando os projetos no que é possível, e votando o que realmente consideramos importante para o Distrito Federal”, disse.

A questão ideológica foi confirmada por Bispo Renato. “Eles votaram a maioria dos projetos de interesse do Executivo e se propuseram, naqueles temas que não forem ideológicos, a continuar construindo em favor da população como um todo”, opinou. (Colaboraram Isadora Teixeira e Suzano Almeida)

 

Últimas notícias