PCDF prende suspeitos de balear adolescente em escola de São Sebastião

Vítima foi atingida por três tiros e precisou ser levada ao hospital pelo helicóptero do Corpo de Bombeiros

atualizado 27/09/2018 12:20

CBMDF/Divulgação

Um homem foi preso e um adolescente foi apreendido na noite dessa quarta-feira (26/9). Eles são suspeitos de tentar matar um garoto de 17 anos na Escola Classe Vila Nova, em São Sebastião. A vítima foi atingida por três tiros e precisou ser levada ao hospital pelo helicóptero do Corpo de Bombeiros. Os envolvidos confessaram aos policiais da 30ª Delegacia de Polícia (São Sebastião) que o motivo é a guerra de gangues na região.

As equipes policiais intensificaram as investigações e conseguiram deter os envolvidos ainda em flagrante. O jovem foi levado para a Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA). Já Matheus da Costa Silva será autuado por homicídio tentado.

De acordo com informações da delegada Bruna Eiras, da 30ª DP, o trio que se envolveu no episódio faz parte de grupos diferentes disputando o tráfico de drogas na cidade. A rixa entre eles dura mais de dez anos. De um lado, a gangue do Morrinho. Do outro, a do Matinho. No meio do fogo cruzado, está a escola, no bairro Vila Nova, considerado um dos mais violentos de São Sebastião.

Segundo a delegada, todos os três envolvidos no episódio de segunda-feira têm passagens pela polícia. A vítima responde por crimes análogos a roubo e tráfico de drogas. Os dois autores são acusados de crimes graves, como homicídio, roubo e tráfico.

Crime
O caso ocorreu por volta das 12h50 da última segunda-feira (24). Segundo o Corpo de Bombeiros, uma das balas disparadas atingiu o tórax da vítima, causando hemorragia. Os outros dois disparos perfuraram a mão do adolescente.

De acordo com testemunhas, o jovem começou a discutir com a dupla no exterior do colégio. Quando viu que poderia ser atingido por tiros, tentou se refugiar na escola. Tão logo chegou ao pátio, os desafetos teriam dito que não iriam atirar porque havia crianças no local.

Eles saíram. Mas, quando ameaçado novamente, o adolescente correu outra vez para dentro do colégio e se escondeu na área de serviço, onde foi baleado. A vítima foi transportada em helicóptero do Corpo de Bombeiros ao hospital.

A confusão ocorreu na troca do turno matutino para o vespertino. “Foram momentos de terror. A sorte é que ninguém se feriu. Cheguei no momento em que os autores fugiram, deixaram a bicicleta jogada na faixa de pedestres e correram. Na fuga, usaram uma funcionária da limpeza como escudo. Foi horrível”, contou o servidor da escola Valdir Alves Bezerra, 45.

Um vigilante fica responsável pela segurança do local durante 12 horas, quando ocorre a troca de turno, mas isso não foi suficiente para barrar a violência dentro do colégio. A escola não tem circuito interno de câmeras. Nenhum dos envolvidos é aluno da escola. “Foi uma fatalidade”, destacou o coordenador substituto Manoel Everton dos Santos Laurentino.

Laurentino confirmou que os alunos ficaram muito abalados e que uma psicóloga será levada à escola. “Os poucos que viram a cena começaram a gritar. Tem muita criança pequena, de 4 anos, na escola. Foi um sufoco para os professores segurarem. Estamos dando a assistência possível”, afirmou.

 

 

Mais lidas
Últimas notícias