Secretaria de Educação divulga medidas de segurança após feminicídio

Visitantes dos prédios do órgão público do Distrito Federal precisarão passar por cadastro e detector de metais

MICHAEL MELO/METRÓPOLESMICHAEL MELO/METRÓPOLES

atualizado 14/06/2019 19:05

A Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF) publicou, nesta sexta-feira (14/06/2019), uma portaria no Diário Oficial (DODF) com as novas medidas de segurança para acesso aos prédios da pasta. O controle, de acordo com o texto, inclui a realização de um cadastro, além de inspeção de segurança por meio de detectores de metal.

A decisão foi tomada pouco menos de um mês depois de o agente da Polícia Civil do DF Sérgio Murilo dos Santos entrar no edifício Bittar III, na 511 Norte, e atirar contra sua ex-mulher, a servidora Débora Tereza Correia. Após o crime, o homem se suicidou no local.

Outro caso recente de insegurança nas dependências da SEEDF aconteceu em março. Um professor de violino da Escola de Música de Brasília (EMB) invadiu a sede da secretaria, no Setor Bancário Norte, armado com uma faca e uma besta (espécie de arco e flecha) à procura do titular da pasta, Rafael Parente.

Agora, de acordo com a publicação, qualquer pessoa que desejar entrar nas instalações das sedes administrativas I, II e III e das coordenações regionais de ensino da SEDF, precisará passar por três etapas: identificação, cadastro feito mediante registro e inspeção de segurança. As vistorias serão feitas tanto nos visitantes quanto nos itens levados por eles por meio de equipamentos detectores de metal.

Porte de armas

Ainda de acordo com a portaria, algumas pessoas poderão portar armas dentro das unidades, desde que “devidamente identificadas pelo setor competente pela segurança predial”. Isso inclui agentes em efetivo exercício, profissionais em escolta de valores e outros profissionais de segurança e policiais participantes de solenidades e eventos realizados nas dependências, desde que de modo não ostensivo e devidamente identificados.

Últimas notícias