Saúde monta força-tarefa para combater epidemia de dengue no DF

A partir deste sábado (25/05/2019), em diversas cidades, profissionais atenderão em tendas pessoas com suspeita da doença

Divulgação/GDFDivulgação/GDF

atualizado 25/05/2019 10:08

Em meio à epidemia de dengue, o Governo do Distrito Federal lança força-tarefa para tratar pacientes com suspeita da doença. Durante três semanas, seis centros específicos farão atendimento para agir de forma emergencial sobre o principal fator de atenção imediata: a hidratação. A ação começa às 12h deste sábado (25/05/2019), com tendas de Hospital de Campanha, que começam a ser montadas às 7h nas áreas das Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Somente este ano, foram confirmadas 16 mortes causadas pela dengue no DF. São quase 20 mil notificações. Em meio à epidemia, o diretor de Vigilância Ambiental da Secretaria de Saúde, Petrônio da Silva Lopes, pediu para deixar o cargo. A própria pasta confirmou que a solicitação foi feita por meio de uma carta interna. No texto, Lopes alega “motivos de caráter pessoal”.

Varjão, Candangolândia, Itapoã, Planaltina, Estrutural e Sobradinho II receberão as estruturas de Hospital de Campanha. Três ambulâncias serão disponibilizadas pelo Corpo de Bombeiros (CBMDF) para transportar pacientes mais graves. A corporação também vai alterar o protocolo de atendimento para dar prioridade aos casos de dengue — sem deixar de atender as demais ocorrências emergenciais.

Os centros funcionarão todos os dias da semana, das 7h às 19h. Depois de três semanas, os pacientes serão atendidos nos hospitais. As administrações regionais também estão envolvidas, dando suporte operacional nas cidades.

A partir de agora, todos os pacientes com suspeita de dengue terão classificação de risco única em toda a rede de atenção de saúde pública. A medida evita retrabalho e maior espera dos pacientes entre as unidades. “Neste momento, há necessidade de atendimento de grande número de pacientes e vamos utilizar tendas disponibilizadas pelo Samu em seis localidades, classificadas de acordo com o índice epidemiológico”, explica o secretário de Saúde, Osnei Okumoto.

Para o trabalho, são necessários sais de reidratação oral para o paciente levar para casa, soro fisiológico, insumos para aplicar o soro e medicamentos. De acordo com Ricardo Ramos, subsecretário de Atenção Integral à Saúde, a hidratação é o principal tratamento inicial para a dengue, porque “no início da doença a principal repercussão é hemodinâmica”.

O médico explica que, com a reposição de líquidos, é possível minimizar esses efeitos. “A desidratação pode piorar esse quadro.” Além disso, com a padronização da classificação de risco, o paciente que precisar ser encaminhado ao hospital não precisará passar por nova classificação para atendimento.

O mutirão de combate à doença vai envolver 36 pessoas. Os profissionais interessados atenderão a uma circular da Secretaria de Saúde de convocação para crise. Eles terão o bônus de horas extras e atuarão fora do expediente. Mariana Rodrigues, subsecretária de Logística em Saúde da Secretaria de Saúde, garante que há recursos suficientes para viabilizar a força-tarefa e que serão distribuídos conforme necessidade apontada para cada unidade.

Confira a localização dos Centros de Hidratação:

Varjão
UBS 1 – Vila Varjão, Quadra 5, nº 5, Conjunto A, Lote 17

Candangolândia
UBS 1 – Área Especial, quadra 5/7

Itapoã
UBS 1 – Quadra 378, Área Especial, Del Lago

Planaltina
UBS 4 – Quadra 18 conjunto H AE 1, St Residencial Leste, Buritis IV

Estrutural
UBS 1 – Área Especial 2, Avenida Central

Sobradinho II
UBS 2 – Rodovia DF-420, Setor de Mansões, n°1.

(Com informações da Agência Brasília)

Últimas notícias