A pediatria do Hospital Regional de Taguatinga (HRT) ficou superlotada. Na noite desta segunda-feira (1°/4), as crianças dividiam espaço insuficiente na emergência: a capacidade é de 19 leitos, mas havia 25 internadas.

Por meio da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, a direção da unidade reconheceu a situação e informou que, por conta da sobrecarga, atendia, exclusivamente, os pacientes classificados com bandeiras laranja e vermelha – as mais graves.

Um servidor da unidade, que preferiu não se identificar por medo de sofrer retaliações, contou que os problemas não se restringiam às crianças: nesta segunda (1°), pacientes adultos aguardavam mais de oito horas na fila no pronto-socorro para passar pela triagem.

“Tem muita gente vomitando e passando mal sob classificação amarela e não será atendida. O protocolo diz que o atendimento deve ocorrer, no máximo, em 60 minutos”, destacou.

Por meio de nota, a Secretaria de Saúde argumentou que a unidade opera com demanda maior do que a capacidade em razão da sazonalidade, “que, nesta época do ano, agravam-se os problemas respiratórios que acometem, principalmente, as crianças”.

“A pasta orienta que os pacientes procurem, primeiro, a unidade básica de saúde mais próxima de sua residência. Havendo necessidade, a própria UBS fará o encaminhamento ao hospital”, completou o comunicado oficial.

A secretaria, contudo, não comentou a demora para classificação e atendimento.