Sargento é afastado após denúncia de assédio em escola militarizada

Em um dos textos enviados a uma menina, o praça manda "um beijo no cantinho da boca". Corregedoria da corporação investiga o caso

JP Rodrigues/Metrópoles/ Foto ilustrativa

atualizado 04/06/2019 15:19

Um sargento da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) foi afastado após uma denúncia de assédio no Centro Educacional 03 de Sobradinho, uma das quatro escolas militarizadas da capital do país. O praça teria trocado mensagens com uma estudante e, em um dos textos enviados à garota, mandado “um beijo no cantinho da boca”.

Ao Metrópoles, o secretário de Educação, Rafael Parente, afirmou que o policial foi afastado preventivamente das funções nessa segunda-feira (03/05/2019).

“Foi aberta uma sindicância para investigar o que aconteceu. Sugerimos que ele fosse afastado durante a investigação e a PMDF acatou. Nas investigações oficiais, todos serão ouvidos”, explicou.

Ainda de acordo com o chefe da pasta, o colégio tomou conhecimento de uma possível vítima, mas será verificado se outras estudantes também sofreram assédio. A Polícia Militar confirmou à reportagem que o caso foi enviado à corregedoria da corporação e ressaltou, por meio de nota, que a PMDF “não admite tal conduta.”

Veja a mensagem:

Mensagem que o PM teria enviado para estudante de Sobradinho

 

O secretário de Educação também se manifestou sobre o caso em sua conta no Twitter:

Inquérito
Na manhã desta terça-feira (04/06/2019), policiais civis foram até a escola. O delgado-chefe da 13ª Delegacia de Polícia (Sobradinho), Hudson Maldonado, afirmou que foi procurado pela comunidade e vai abrir inquérito para apurar o caso.

“Por mais que o suposto crime tenha como investigado um militar, entendemos que, por a vítima ser menor e civil, podemos atuar. Vamos fazer uma investigação imparcial e transparente. Pretendo intimar os envolvidos e colher os depoimentos nos próximos dias”, disse.

A Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Câmara Legislativa participou de reunião no colégio e afirmou, por meio de nota, que, desde o início do ano letivo, recebe denúncias sobre a violação de direitos nas escolas públicas militarizadas.

“A comissão tem atuado desde que recebeu relatos sobre a conduta do policial militar. Estamos acompanhando o caso de perto e elaboraremos relatório com as denúncias já registradas na CDH para que o GDF, a Corregedoria da PMDF e o Ministério Público se pronunciem”, informou o deputado distrital Fábio Felix (PSol), presidente da Comissão de Direitos Humanos da CLDF .

Polêmica
A ação de policiais militares derrubando e imobilizando alunos no Centro Educacional 07 de Ceilândia, após uma briga entre estudantes em abril deste ano, ajudou a reacender o debate sobre a gestão compartilhada na rede pública do DF. O caso foi registrado na Delegacia da Criança e do Adolescente de Ceilândia (DCA II) e encaminhado à Corregedoria da PMDF.

Vídeos feitos pelos estudantes circularam nas redes sociais. As imagens mostram um aluno sendo derrubado e imobilizado por um policial militar. O jovem está no chão e o PM permanece sobre ele. Também é possível ver um segundo estudante sendo controlado por outros agentes de segurança.

A ação foi filmada por alunos que questionam a truculência dos policiais. A direção da escola, a Secretaria de Educação e a PMDF afirmaram que os policiais agiram para conter a briga e evitar uma confusão generalizada.

Segundo a direção da escola, 1.350 alunos participavam de uma atividade coletiva, no início da aula, quando é cantado o Hino Nacional e hasteada a bandeira. Ainda de acordo com a versão do colégio, três estudantes teriam começado uma briga.

Quatro escolas
No Distrito Federal, quatro escolas têm gestão compartilhada com a Polícia Militar. São elas: os centros educacionais 03 de Sobradinho; 308 do Recanto das Emas; 01 da Estrutural; e 07 de Ceilândia.

O governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), afirmou que o programa será continuamente ampliado. Até julho de 2019, serão 20 escolas da PMDF, número que vai dobrar até o final do ano. Ele prevê que, até o término de seu mandato, o DF terá 200 escolas militares.

Últimas notícias