Saiba quais os principais pontos da nova Luos aprovada pela CLDF

Deputados aprovaram, na tarde desta terça-feira (29/3), o projeto de lei complementar que altera a Lei de Uso e Ocupação do Solo do DF

atualizado 29/03/2022 22:15

Plenário do CLDF na votação da LOUS, a Lei de Ocupação e Uso do Solo do Distrito Federal. É possível ver tanto as mesas dos parlamentares tanto as arquibancadas com grande movimentação - MetrópolesCarlos Gandra/CLDF

Os deputados distritais aprovaram, na tarde desta terça-feira (29/3), o projeto de lei complementar nº 69/2020, que altera a Lei de Uso e Ocupação do Solo do Distrito Federal (Luos). Representantes de moradores de algumas cidades e do setor produtivo acompanharam a votação nas galerias do plenário.

O texto aprovado impede a ampliação de comércio em áreas residenciais do Lago Sul, Lago Norte e Park Way, além da implantação de novas escolas nas proximidades de residências.

O PLC, de autoria do Executivo, foi aprovado em segundo turno por unanimidade, com 23 votos favoráveis. A proposta segue agora para sanção do governador Ibaneis Rocha (MDB). Ao todo o texto original recebeu 150 emendas, mas somente cerca de 60 foram incorporadas à proposta.

O texto está estruturado em cinco artigos: o primeiro deles trata de modificações ao texto em vigor; o segundo de adições; o terceiro prorroga prazos contidos na Luos; o quarto dispõe sobre sua vigência e o quinto promove uma série de revogações específicas. Na justificativa do projeto, o GDF afirma que a “proposta tem o objetivo de promover ajustes no texto em vigor, bem como em seus anexos, com o fim de corrigir inconsistências identificadas”.

Os deputados aprovaram uma emenda, do deputado Eduardo Pedrosa (União Brasil), que veda a implantação de novos estabelecimentos de ensino em áreas residenciais. As escolas que já ocupam essas áreas não serão afetadas.

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

Também foi retirada do texto a possibilidade de ampliação de novas atividades comerciais em áreas residenciais do Lago Sul, Lago Norte e Park Way. O deputado Agaciel Maia (PL), presidente da Comissão de Economia, Orçamento e Finanças (CEOF), sugeriu revitalizar setores comerciais tradicionais, com o Setor Comercial, ao invés de ampliação de atividades nas áreas residenciais.

Uma emenda rejeitada nas comissões foi aprovada, por meio de destaque, em plenário. A alteração, de autoria dos deputados Rafael Prudente (MDB) e Daniel Donizet (PL), isenta os lotes situados no Setor Central do Gama, com edificações consolidadas, da obrigatoriedade de oferecimento de número determinado de vagas de estacionamento.

Discussão da proposta

O deputado Cláudio Abrantes (PSD), presidente da Comissão de Assuntos Fundiários (CAF), ressaltou que a proposta foi analisada por mais de um ano e a classificou como uma “lei sensível que pode mudar o rumo do DF”. “Recebemos um PLC muito bem preparado pelo governo, porém, até para debater com tranquilidade, tivemos que definir critérios objetivos, sem deixar de lado o lado político”, analisou, destacando que as emendas acatadas “melhoraram muito o texto, apresentando à sociedade uma Lei cuidadosa com o uso e ocupação do solo”.

A deputada Arlete Sampaio (PT) assinalou que todo projeto sobre uso e ocupação do solo tem que ser analisado com lupa e afirmou que isso foi feito com muito cuidado na CAF. Ela também disse que ouvir o interesse dos moradores das regiões envolvidas foi fundamental para chegar ao resultado alcançado.

O deputado Fábio Felix (PSol) salientou que a cidade é “essencialmente para as pessoas e temos que seguir essa lógica ao analisar mudanças na LUOS”. No entanto, o distrital lamentou que o governo não tenha enviado uma ampla revisão da LUOS, ouvindo os diversos segmentos da sociedade”.

Quer ficar ligado em tudo o que rola no quadradinho? Siga o perfil do Metrópoles DF no Instagram.

Mais lidas
Últimas notícias