Quadrilha do DF aplicava golpe em seguros destruindo lanchas e carros de luxo

De acordo com as investigações, estima-se que, nos últimos dois anos, o bando tenha faturado cerca de R$ 2 milhões forjando acidentes

atualizado 15/12/2020 9:46

lancha incendiadaReprodução

Nas primeiras horas desta terça-feira (15/12), equipes da Divisão de Repressão a Roubos e Furtos (DRF) da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) deflagraram a Operação Navio Fantasma para desarticular uma associação criminosa especializada em forjar acidentes automobilísticos e receber altos valores pagos pelas seguradoras. Em um dos golpes, o bando explodiu uma lancha de 50 pés avaliada em R$ 750 mil.

A força-tarefa cumpre 12 mandados de busca e apreensão nas regiões do Lago Sul, da Asa Norte, de Vicente Pires, Taguatinga, do Guará, de Águas Claras e do Núcleo Bandeirante. De acordo com as diligências da Coordenação de Repressão a Crimes Patrimoniais (Corpatri), os investigados agiram nos últimos dois anos e forjaram dezenas de acidentes envolvendo BMW, Porsche, entre outros. No total, foram destruídos 10 veículos.

As apurações da DRF apontaram que os acidentes forjados ocorreram no setor de Clubes Esportivos Sul e na DF-140, nas proximidades do Complexo Penitenciário da Papuda, sempre durante a madrugada. Em todos, houve choque proposital da coluna central dos veículos, dano estrutural que conduz necessariamente à perda total.

0
Lancha destruída

Para dificultar a investigação da PCDF, os registros dos acidentes eram feitos na Delegacia Eletrônica, e os bandidos se revezavam na condição de condutor, segurado (contratante), terceiro envolvido e recebedor da indenização. Com o mesmo objetivo, o grupo criou cinco empresas de fachada, em nome das quais eram registrados os veículos.

Especializado na simulação de acidentes automobilísticos, o bando inovou em 2019 e incendiou uma embarcação de 50 pés, obtendo vantagem indevida de R$ 750 mil. A lancha foi incendiada em 11 de dezembro do ano passado, por volta das 20h, às margens do Lago Corumbá, em Caldas Novas (GO).

Apesar da chegada do Corpo de Bombeiros e de uma ação rápida, a embarcação de luxo ficou destruída. A apuração envolvendo a lancha também contou com o apoio da Marinha do Brasil.

Modus operandi

A logística usada pela associação criminosa era simples: primeiro, os investigados adquiriam veículos importados de difícil comercialização. Logo depois, contratavam seguros novos, com valor de indenização correspondente à Tabela Fipe. Em seguida, forjavam colisão proposital dos veículos, resultando em perda total.

Por último, o condutor que contratava o seguro assumia a culpa pelo acidente, para viabilizar o pagamento dos danos do outro veículo envolvido na colisão, cujo motorista também integrava a associação criminosa. Com isso, operava-se o recebimento dos valores do seguro, baseados na Tabela Fipe, que são superiores aos valores de aquisição dos automóveis.

“O mercado segurador está começando a perceber que, diante da indicação de fraude, além da recusa de pagamento da indenização, é necessária a comunicação à polícia judiciária. Atualmente, as empresas de seguro demoram muito a fornecer as informações. São mal assessoradas. Deveriam ser ágeis na prestação das informações requisitadas, mas não é o que acontece”, ressalta o diretor da DRF, delegado Fernando Cocito.

Mais lidas
Últimas notícias