Protesto com “carne humana” chama atenção em restaurante da UnB

Performance de aluna de artes cênicas tinha como objetivo criticar o consumo da proteína e o impacto ambiental causado pela pecuária

ReproduçãoReprodução

atualizado 12/09/2019 21:32

Uma performance em frente ao Restaurante Universitário (RU) da Universidade de Brasília (UnB) chamou atenção de quem passava pelo local nesta quarta-feira (11/09/2019). A intervenção, em tom de protesto, criticava o consumo de carne e os impactos ambientais da pecuária. Para se fazer notar, a estudante de artes cênicas Alearautas (nome artístico de Alessandra Araújo), 21 anos, se embalou como se fosse uma peça de carne num supermercado. A jovem utilizou pigmento vermelho para simbolizar o sangue e se envolveu no que simbolizava a bandeja de isopor e os plásticos que envolvem as mercadorias no comércio.

No local onde geralmente vai o código de barras, o grupo escreveu uma mensagem sobre a pecuária. “Esta atividade é também a principal causa por trás da destruição das florestas tropicais e outras áreas naturais, além de grande responsável por outros impactos ambientais, como a extinção de espécies, erosão do solo, escassez e contaminação de águas, desertificação, poluição orgânica, efeito estufa, etc”, diz o comunicado.

O protesto foi inspirado numa manifestação semelhante que começou em Barcelona, na Espanha, e se espalhou pelo mundo. Em 2010, membros do grupo Animais Naturalis se embalaram como pedaços de carne crua na praça Santa Jaume. Os ativistas queriam chamar atenção para a morte de 45 bilhões de animais por ano, que servem para o consumo humano.

À época, também aproveitaram para divulgar o modo de vida vegano. Depois da Espanha, atos como esse foram registrados nos Estados Unidos, na República Tcheca e no Brasil.

Últimas notícias