Filippelli lança Ibaneis ao GDF e Fraga anuncia ruptura do grupo

"Se a cigana falou para eles que o Ibaneis tem mais voto do que eu, ela está completamente enganada", ironizou o deputado federal do DF

Rafaela Felicciano/MetrópolesRafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 28/07/2018 19:33

O ex-vice governador Tadeu Filippelli (MDB) anunciou que o advogado e seu correligionário Ibaneis Rocha sucederá Jofran Frejat na corrida ao Palácio do Buriti no pleito de outubro. O comunicado foi feito na manhã deste sábado (28/7), durante convenção do Avante. Em discurso para aliados, o emedebista disse entender que o nome do ex-presidente da OAB-DF é o melhor para governar a capital do país.

A indicação para vice na chapa encabeçada por Ibaneis é Anna Christina Kubitschek. Ela é neta de JK e casada com Paulo Octávio (PP). O empresário e ex-vice governador do Distrito Federal pode desistir de eventual candidatura, receoso do desgaste que enfrentará durante a campanha em razão dos processos aos quais responde – por corrupção, no âmbito da Caixa de Pandora, e organização criminosa na emissão de alvarás na Administração Regional de Taguatinga.

A indicação de Ibaneis não é consenso no grupo que apoiava Frejat. O deputado federal Alberto Fraga (DEM-DF), o qual chegou após o anúncio, mantém-se disposto a ser o cabeça de chapa e se reunirá com aliados ainda na tarde deste sábado para alinhar seu futuro político. A ideia de Filippelli e Ibaneis é tentar convencer Fraga a retirar seu nome da disputa e mantê-lo na rede de apoiadores.

Ao lado do presidente regional do PP, Rôney Nemer, e do presidente do Avante, Paco Britto, Tadeu Filippelli disse ter “esperado pacientemente” por uma resposta de Frejat. Após o ex-secretário de Saúde do DF confirmar sua desistência da corrida eleitoral, Filippelli entendeu que o advogado tem o perfil mais adequado para administrar a cidade. “O melhor para o compromisso de Brasília e o resgate de sua história é Ibaneis Rocha. Portanto, terá seu nome indicado por nós para esse desafio que nos une”, afirmou.

Veja o momento do anúncio:

Filippelli dá sua unção como presidente do partido, do alto de sua figura fragilizada também por envolvimento em escândalos de corrupção. Ele chegou a ser preso durante a operação da Polícia Federal que investiga desvio de recursos públicos das obras do Mané Garrincha.

Ao Metrópoles, Ibaneis disse que o foco agora é manter a união do grupo. “Sou pré-candidato ao Buriti. Vamos conversar para que DEM e PR venham conosco”.

Fraga ironiza
Segundo Fraga, o lançamento de Ibaneis oficializa o rompimento do grupo. “Se a cigana falou para eles que o Ibaneis tem mais voto do que eu, ela está completamente enganada”. O parlamentar ainda destacou que conversará com outros partidos para abraçarem o projeto de ele ser governador do DF.

Apesar da postura de Fraga, o ex-governador do Distrito Federal garantiu que a candidatura de Ibaneis é definitiva. “Estamos unidos [MDB, PP e Avante]. Porém, buscamos ampliar os entendimentos. Não só com os partidos que compunham a base do Frejat”, explicou Filippelli.

Órfãos de Frejat
Há apenas três dias, a coalizão órfã de Frejat tentava firmar a majoritária com Izalci na cabeça, Ibaneis como vice, Alberto Fraga (DEM) e um segundo nome a ser definido para o Senado. Assim, a chapa teria DEM, MDB, PR, PP, Avante e PSDB.

Na queda de braço, no entanto, os articuladores escantearam Izalci Lucas, que liderava a chamada terceira via. O grupo é coordenado pelo senador Cristovam Buarque (PPS) e Rogério Rosso (PSD), que se lançou candidato ao Governo do Distrito Federal (GDF) nessa sexta (27/7).

Últimas notícias