Depois de quatro sessões sem votação, distritais aprovam um projeto

Proposta do deputado Jorge Vianna (Podemos) foi analisada apenas em primeiro turno. Ela cria a política distrital de segurança no trabalho

Carlos Gandra/CLDFCarlos Gandra/CLDF

atualizado 21/05/2019 20:42

Após duas semanas seguidas sem analisar um projeto, os deputados distritais aprovaram, nesta terça-feira (21/05/2019), apenas uma matéria, em primeiro turno. A sessão ordinária desta tarde durou quatro horas.

O único projeto votado é de autoria do deputado Jorge Vianna (Podemos). A proposta cria a política distrital de segurança e saúde no trabalho. A matéria ainda deve ser analisada em segundo turno, mas, caso seja aprovada, obrigará o Executivo a regulamentar medidas que evitem possíveis problemas de saúde derivados da atividade do servidor público.

A sessão foi iniciada às 15h e encerrada às 18h48,  em meio às discussões do projeto da deputada Arlete Sampaio (PT) que institui a reserva de 20% das vagas em concursos públicos para negros. “É uma deslealdade. Deputado vota o projeto e sai [do plenário]. Se posiciona, mas não sai dessa forma”, desabafou a petista.

A falta de produção foi motivo de crítica do deputado Leandro Grass (Rede). “Se não fosse o projeto do deputado Jorge Vianna, essa seria a quinta sessão seguida sem que o Plenário funcionasse. Não é possível que a Casa funcione assim.”

Antes da votação, duas propostas foram retiradas de pauta: a que proíbe crianças brincando nos pilotis da área tombada de Brasília, de autoria da distrital Júlia Lucy (Novo); e a que descentraliza recursos da Polícia Militar do DF, do deputado Hermeto (MDB).

Últimas notícias