*
 

Os candidatos ao Palácio do Buriti estão de olho nos eleitores que moram no Entorno do Distrito Federal, mas votam na capital da República. A realização de dobradinhas com chapas do estado vizinho faz parte da estratégia das coligações majoritárias para potencializar o número de votos.

Eliana Pedrosa (Pros) saiu na frente ao declarar apoio ao candidato do DEM ao Governo de Goiás, Ronaldo Caiado (foto em destaque). A ex-deputada distrital aproveitou a aliança nacional dos partidos para se vincular ao goiano que, como ela, ocupa a primeira colocação nas pesquisas eleitorais.

Recentemente, Eliana recorreu às redes sociais para elogiar Caiado publicamente. “Sempre tive uma admiração por ele ser um político com opiniões fortes e que não fica em cima do muro”, declarou. Apoiada pelo clã de Joaquim Roriz, ela aderiu à proposta de reimplantar a linha de trem que liga Brasília a Luziânia. “Gostaria muito de ganhar o governo e a gente fazer uma grande parceria”, emendou.

Do mesmo partido
A representante do PSol na corrida ao Buriti, Fátima Sousa, também promete caminhar de mãos dadas com o correligionário que concorre ao Palácio das Esmeraldas. Professor da rede pública de Goiânia, Weslei Garcia tem a educação como uma de suas prioridades. “Além de ser um valoroso militante da área educacional, ele é brasiliense e morador do Entorno, ou seja, o melhor candidato para promover a integração entre DF e Goiás”, elogiou Fátima.

O nome do Partido dos Trabalhadores ao Governo do Distrito Federal (GDF), Julio Miragaya, é outro a manter diálogo com representante da própria sigla concorrendo ao Governo de Goiás. A petista Kátia Maria (GO) é professora no interior do estado e disputa a gestão ao lado do professor Nivaldo Santos (PCdoB), vice da chapa.

Apesar da vontade de mergulhar em uma candidatura vizinha, especialmente dos bem pontuados, alguns postulantes ao GDF ainda estão tímidos neste início de campanha. Exemplos disso são os candidatos Alberto Fraga (DEM), Rogério Rosso (PSD) e Ibaneis Rocha (MDB).

Saia-justa
Fraga não esconde que definir apoio na eleição de Goiás é criar uma verdadeira saia-justa. Apesar de ser correligionário e amigo de Ronaldo Caiado, ele está coligado no Distrito Federal com o PSDB, de Zé Eliton, um dos principais concorrentes do senador na disputa goiana.

Diante desse cenário, Fraga preferiu adiar a decisão para tentar evitar conflitos. “A gente vai levando até onde der”, brincou. Ele acredita que os dois nomes de Goiás podem manter boa relação com ele, no caso de vitória nas urnas.

A indefinição de Rosso, por sua vez, não está relacionada a questões partidárias. A legenda dele não lançou ninguém no estado vizinho. Mesmo assim, o deputado não esconde o desejo de também apoiar o líder das pesquisas do outro estado. “Tenho pessoalmente muita simpatia pelo Caiado, mas não há nada definido partidariamente”, disse.

Apesar de ter o colega do MDB na disputa pelo Palácio das Esmeraldas, Ibaneis evita confirmar a parceria com Daniel Vilela. Filho do ex-governador Maguito Vilela, o deputado goiano aparece na segunda posição das intenções de voto. “Gosto muito do estilo dele, por ser jovem e desenvolvimentista, mas ainda não decidi apoiar ninguém”, disse o advogado.