Carreata pró-Bolsonaro reúne 25 mil veículos na área central do DF

Grupos que apoiam o presidenciável do PSL saíram às ruas do Distrito Federal na manhã deste domingo (30/9)

Hugo Barreto/MetrópolesHugo Barreto/Metrópoles

atualizado 01/10/2018 19:30

Um dia após protesto promovido pelo movimento de mulheres contra Jair Bolsonaro, grupos que apoiam o presidenciável do PSL saíram às ruas do Distrito Federal neste domingo (30/9), em carreata com mais de 25 mil veículos, conforme números divulgados pela PMDF. A concentração começou às 8h30 em diversos pontos da capital e, por volta das 13h, a dispersão. Os dois lados do Eixo Monumental ficaram tomados de carros. Outros 19 estados registram atos a favor do presidenciável.

Enquanto dirigiam pelas asas Sul e Norte, os apoiadores postulante ao Palácio do Planalto promoveram buzinaços, hastearam bandeiras do Brasil e imitavam a “arminha”, gesto com as mãos popularizado por Bolsonaro. No Sudoeste, o trânsito chegou a parar.

Questionada sobre a quantidade de participantes, a Polícia Militar explicou que o número total de veículos equivale a todo o período de manifestação, cerca de quatro horas e meia, e que a PM levou em conta a circulação dos carros não só nas seis faixas do Eixo Monumental mas em outras regiões, como o Sudoeste e as asas Sul e Norte.

Segundo a PM, na dispersão foram 6 faixas ocupadas, com 20 a 30 carros passando por minuto por faixa. Também perguntada se muitos motoristas estavam indo para outros destinos e entraram sem querer na carreata, pois não havia bloqueios nem aviso sobre a manifestação, a corporação reforçou a metodologia usada e informou que “tinha muito carro, tanto nas vias principais quanto nas secundárias”.

Às 10h, quatro faixas do Eixo Monumental estavam bloqueadas pela manifestação. “O que não compreendo do movimento #EleNão é o ‘discurso contra o extremismo’. Como posso falar que ele [Bolsonaro] é desrespeitoso? São rótulos rasos. Não entendo um movimento que pede respeito e desrespeita ele. Ele tem boas propostas”, disse Rosiane Moura, servidora da Secretaria de Educação.

“Todas as ideias atraem. Ele quer fazer o que o PT não fez. Para arrumar não tem como. Tem muita baderna. Ele fará a transição. Vai melhorar muita coisa”, afirmou Alan John, motoboy e ex-militar.

Da Esplanada, parte dos manifestantes se dirigiu à sede da Rede Globo em Brasília, na Asa Norte, para protestar. Em carro de som, os organizadores do evento criticam a investigação referente ao ataque sofrido pelo candidato do PSL. “Quem mandou matar o Bolsonaro?”, questionam.

 

 

A manifestação em Brasília segue a mesma linha ocorrida em outras unidades federativas no sábado (29). Pelo menos 16 cidades também registram mobilizações favoráveis ao candidato, entre elas o Rio de Janeiro(RJ), Rio Branco (AC) e Campo Grande (MS).

#EleNão
Nesse sábado (29), dezenas de cidades no Brasil e no exterior foram palco de atos contrários a Bolsonaro. Todas as capitais tiveram manifestações contra o capitão da reserva e deputado federal por sete mandatos, que lidera as recentes pesquisas de intenções de voto para o primeiro turno, com 28%, seguido por Fernando Haddad, do PT, que tem 22%. Os atos foram coordenados pela campanha #EleNão, criada dentro de um grupo no Facebook que reúne 3,8 milhões de mulheres.

No Distrito Federal, sete mil pessoas, de acordo com a Polícia Militar, participaram de ato em desfavor do presidenciável. O grupo se concentrou na Rodoviária do Plano Piloto e, depois, caminhou até a Torre de TV.

Ao redor do mundo, protestos ocorreram em cidades da Argentina, Chile, Espanha, França, Portugal, Alemanha, Itália, França e Suíça. As lideranças do movimento afirmam que a campanha é para alertar a população acerca das ideias de Bolsonaro, consideradas pelos participantes como “fascistas e machistas”.

Últimas notícias