Planalto espera do GDF proposta de reajuste de PM e bombeiros

Bolsonaro disse que quer dar a mesma correção para as três forças de segurança pública do Distrito Federal

Rafaela Felicciano/MetrópolesRafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 09/10/2019 15:11

Em reunião com o ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, general Luiz Eduardo Ramos, a bancada militar da Câmara dos Deputados avançou nas negociações sobre o aumento salarial dos policiais militares e bombeiros do DF. O objetivo é garantir o aumento de 37% nos vencimentos dos militares, seguindo o mesmo índice almejado pelos policiais civis.

Na ocasião, um ofício foi entregue a Ramos e ao secretário especial do Ministério da Economia, Rogério Marinho, que garantiu empenho e que vai se “debruçar” sobre o pedido. Parlamentares saíram otimistas do encontro. E acreditam que a demanda será atendida pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) e enviada ao Congresso Nacional.

Imagens da reunião no Palácio do Planalto:

 

“O próprio presidente já sinalizou que há recurso do fundo [Constitucional] para conceder o aumento. Eu também assinei o ofício e, agora, esperamos um retorno do governador do Distrito Federal, para que ele também inclua os militares na solicitação enviada ao Planalto”, explicou o senador Izalci Lucas (PSDB-DF).

 

Confira o documento entregue aos militares no Palácio do Planalto:

 

Reajuste dos militares by Metropoles on Scribd

Reajuste dos militares by Metropoles on Scribd

O presidente da Frente Parlamentar e da Comissão Permanente de Segurança Pública da Câmara dos Deputados, Capitão Augusto (PR-SP), afirmou que vai solicitar formalmente uma audiência com o governador Ibaneis Rocha para que ele faça uma nova proposta à Presidência da República contemplando a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros do DF.

Declaração do presidente

A pressão aumentou após Bolsonaro garantir aos policiais civis do Distrito Federal que não vai “brecar” o reajuste da PCDF, mas que a recomposição salarial da categoria vai sair junto com a da Polícia Militar. A declaração foi dada nessa segunda-feira (07/10/2019), por volta das 8h30, na saída do Palácio da Alvorada, residência oficial do chefe do Executivo brasileiro.

Na ocasião, o mandatário do país foi abordado pelo presidente do Sindicato da Polícia Civil do Distrito Federal (Sinpol-DF), Rodrigo Franco, o Gaúcho, no momento em que atendia a jornalistas e populares. Franco informou que os policiais civis do DF estão há 10 anos sem reajuste salarial.

Sem falar em índices, Bolsonaro respondeu ao sindicalista: “O mesmo percentual para PM e Civil, a gente conversa”. E continuou: “O dinheiro é do fundo [Fundo Constitucional]. Não vou discutir. Não vou brecar o reajuste de ninguém. Mas PM e Civil juntos.”

Em vídeo gravado pela deputada federal Flávia Arruda (PR-DF), o presidente Jair Bolsonaro reforçou que pretende dar o reajuste igual para as polícias civil e militar do DF. “Não podemos deixar a nossa PM de fora. O ideal é que haja acordo. O mesmo percentual a gente encaminha ao Congresso Nacional”, ressaltou.

O Sindicato dos Policiais Civis do Distrito Federal (Sinpol-DF) não se contentou com a declaração do presidente Bolsonaro, de que só dará reajuste aos servidores da corporação se, ao mesmo tempo, forem contemplados a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros. Para a entidade, o presidente “está ciente do pleito dos policiais civis”, mas desconhece a realidade das Forças de Segurança do Distrito Federal”.

Em nota, o sindicato disse que “nunca existiu paridade salarial entre a Polícia Civil, a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros Militar do DF”.

Ainda segundo o Sinpol, a diferença entre as forças é latente: “Os policiais civis do DF amargam mais de 10 anos sem reajuste, acumulando uma defasagem salarial de mais de 50%. Enquanto isso, as outras duas forças e demais carreiras do serviço público receberam reajustes em índices acima da inflação acumulada no período”, alegou.

Últimas notícias