PF investiga servidor do Ministério da Infraestrutura por suspeita de lavagem de dinheiro

Polícia Federal também apura corrupção passiva, sonegação fiscal e outros possíveis crimes contra a administração pública

atualizado 22/01/2021 11:42

Divulgação

A Polícia Federal deflagrou, nesta sexta-feira (22/1), a Operação Gravame. A ação apura suposto crime de lavagem de dinheiro cometido por um servidor público lotado no Ministério da Infraestrutura e por terceiros a ele associados. A PF também investiga corrupção passiva, sonegação fiscal e outros possíveis crimes contra a administração pública.

0

São cumpridos quatro mandados de busca e apreensão, além do bloqueio de contas bancárias, veículos e imóveis dos investigados em Brasília e na Cidade Ocidental (GO). As medidas judiciais foram expedidas pela 12 ª Vara da Justiça Federal do Distrito Federal. A Justiça Federal também determinou o afastamento preventivo do servidor público suspeito das funções pelo prazo inicial de 30 dias.

Segundo a PF, as diligências foram iniciadas no ano passado, a partir de levantamentos feitos pela Controladoria-Geral da União (CGU) e pela Subsecretaria de Conformidade e Integridade (SCI) do Ministério da Infraestrutura. As apurações mostram que o suspeito apresentou crescimento patrimonial e gastos incompatíveis com a renda.

Os dados e informações obtidos também apontam para a possível utilização de parentes na lavagem de ativos, assim como a construção de uma casa de luxo e aquisição de veículos com os valores não declarados.

Veja imagens da casa do investigado:

Ministério
Por meio de nota, o Ministério da Infraestrutura esclareceu que foi o responsável por iniciar as investigações. Detalhou que o órgão tem um programa de integridade desde 2019, o Radar Anticorrupção, que já apurou quase 300 denúncias só no ano passado.

As diligências iniciais realizadas pela subsecretaria da pasta demonstraram que o servidor suspeito apresentou crescimento patrimonial e realização de gastos incompatíveis com sua renda.

O programa de integridade é coordenado pela subsecretária de Governança e Integridade do MInfra, Fernanda Costa de Oliveira, que também é delegada da Polícia Federal .

Durante o ano de 2020, o programa Radar Anticorrupção apurou um total de 272 denúncias, das quais 85 foram encaminhadas, sendo 52 à Polícia Federal, 11 à CGU e cinco ao Ministério Público Federal. As demais seguiram para AGU (Advocacia-Geral da União), Receita Federal, o Tribunal de Contas da União (TCU), Ministério Público Estadual e Ouvidoria. Além disso, 568 análises de integridade foram realizadas.

Últimas notícias