“Perguntou se eu queria ir com ele, mas eu disse não”, diz mulher de Lázaro

Jovem relata que a família tem sofrido ameaças por causa dos crimes cometidos por Lázaro. "Não é justo a gente sofrer as consequências", diz

atualizado 18/06/2021 17:03

Lázaro Barbosa, suspeito de triplo homicídio no DFReprodução

Já no 10° dia da caçada a Lázaro Barbosa, 32 anos, e após a mãe dele pedir para que o filho se entregue à polícia, a companheira do suspeito também espera que ele pare de fugir. A jovem de 19 anos, que pediu para não ser identificada, falou com o Metrópoles nesta sexta-feira (18/6), e revelou conversas que teve com o marido no dia anterior ao quádruplo homicídio no Incra 9.

O casal está junto há 4 anos e tem uma filha de 2 anos. A mulher relata que ambos moravam em casas separadas até fevereiro de 2021. Ela em Águas Lindas, e Lázaro em Ceilândia. “Passei a ficar com ele de vez no fim de março deste ano, em Ceilândia”, disse.

A mulher conta que na terça-feira anterior ao crime no Incra 9 o marido disse que “ia embora, para não prejudicar a família”. De acordo com a jovem, Lázaro levou consigo um celular, que ambos dividiam. “Falou que iria procurar um local para morar longe. Perguntou se eu queria ir com ele, mas eu disse que não”, revela.

Hoje, ela pede para que o companheiro se entregue à polícia. “Queremos que acabe esse sofrimento. O Lázaro tem de pagar pelo que ele fez, assim como todo criminoso”, afirma.

A mulher relata que a família tem sofrido ameaças devido aos crimes cometidos pelo marido. “O que não é justo é as pessoas falarem que a gente tem de sofrer as consequências por causa do que ele fez”, frisa.

“A gente pede desculpas para as famílias. Se a gente pudesse mudar a cabeça, o coração, a mente dele, a gente mudaria. Só peço que Deus possa confortar essas pessoas”, acrescenta.

Histórico de crimes

O casal se conheceu por meio de uma tia de Lázaro, que é amiga da família da jovem. De acordo com a companheira do suspeito, ele não era agressivo nem com ela nem com a filha. “Lázaro sempre tentou ser um homem protetor com a gente. Quando eu falo que ele era uma pessoa boa conosco não é mentira, ele era mesmo. Era um pai bom, um marido bom. Mas agora não sabemos o que está passando na cabeça dele, o que ele é capaz de fazer”, pontua.

Sobre os crimes anteriores praticados pelo marido, a mulher diz que sabia que ele foi preso em 2018 por homicídios cometidos na Bahia, mas que acreditava que Lázaro queria mudar.

“Ele não era de comentar nada do que fazia. Eu soube que ele foi preso por esse crime na Bahia e, ano passado, soube de uma tentativa de latrocínio, mas a gente até estava separado nessa época. Agora, ele estava mudado, estava trabalhando. Não entendo o que aconteceu, não consigo acreditar”, relata. “Ele falava que estava arrependido de matar essas pessoas”, completa.

Carta abandonada

Policiais que integram as forças de segurança empenhadas na captura do maníaco encontraram, nessa quinta-feira (17/6), uma carta abandonada no local em que o criminoso teria usado como esconderijo durante algum tempo, na região de Edilândia, em Goiás. No interior do imóvel, as equipes notaram, sobre a mesa, uma folha de papel A4 com um texto escrito à mão.

A carta, redigida em tinta de caneta esferográfica vermelha, discorre sobre quem tem direito de morrer ou de viver. “Muitos que vivem merecem morrer, alguns que morrem merece (sic) viver”, diz o texto. O material foi apreendido e levado para perícia. Os policiais investigam se Lázaro escreveu ou apenas carregava o manuscrito, que replica algumas falas de um personagem da trilogia Senhor dos Anéis.

A companheira de Lázaro confirmou ao Metrópoles que a letra é do marido. “É a letra dele na carta, mas não entendi o que ele quis dizer com aquilo”, comentou.

Caçada

O cerco policial montado pelas forças de segurança para tentar encontrar o maníaco Lázaro Barbosa de Sousa chega ao 10º dia nesta sexta-feira (18/6). O efetivo se concentra no município de Girassol, em Goiás, local onde o criminoso trocou tiros com a polícia e voltou a se esconder na mata.

A Polícia Civil de Goiás divulgou vídeos que mostram a caçada ao assassino em série pela região. Conforme o Metrópoles revelou, os agentes encontraram pelo caminho vários rituais supostamente deixados pelo psicopata.

Em diversos pontos dentro da mata, foram encontradas velas de sete dias e até pedaços de papel com o nome completo do criminoso. As autoridades desconfiam de que o próprio suspeito tenha deixado as velas acesas para pedir proteção espiritual.

Os grupos policiais que fazem incursões na região encontraram uma vela de sete dias nas proximidades de um milharal. Em um dos locais de mata fechada, militares goianos também acharam uma rã desossada, deixada ao lado de um facão. Parte do animal havia sido comida.

Veja imagens da vela deixada com o nome de Lázaro Barbosa:

Troca de tiros

A força-tarefa trocou tiros com Lázaro na tarde dessa quinta-feira (17/6), após o maníaco ser visto nas proximidades da casa do pai dele. Dezenas de policiais civis e militares, além de viaturas e três helicópteros, foram mobilizados na operação. Um pouco antes do confronto, cães farejadores encontraram um pano ensanguentado, o que reforça a tese de que o criminoso estaria ferido.

Lázaro é suspeito de ter cometido vários crimes no Distrito Federal, incluindo a chacina de uma família, e em outras unidades federativas. As polícias do DF e de Goiás montaram força-tarefa para encontrá-lo.

Segundo fontes policiais ouvidas pela reportagem no local da força-tarefa, em Girassol, um proprietário de chácara relatou ter ouvido disparos durante a noite.

“A informação não foi confirmada. Estamos recebendo muitas informações e tentando filtrar a maioria delas. Provavelmente, foi outro barulho. A população está muito assustada”, disse um integrante da força-tarefa.

A polícia seguiu, por cerca de seis horas, o córrego próximo à localização onde Lázaro foi visto pela última vez. Os cães permanecem na área, assim como o cerco em torno da mata.

Veja imagens das buscas a Lázaro:

0
0

Últimas notícias