PCDF abre inquérito sobre caso de menino eletrocutado em bebedouro

Peritos do Instituto de Criminalística foram até o condomínio para realizar exames no equipamento. A criança permanece internada na UTI

Reprodução/Google

atualizado 17/10/2018 19:06

A 17ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Norte) abriu inquérito para apurar o caso do menino Isaac Duarte, 4 anos, internado em estado grave após levar uma descarga elétrica em um bebedouro onde tomava água, na área de lazer do residencial Long Beach, na QL 24 de Taguatinga Norte. O acidente ocorreu por volta de 19h40 de segunda-feira (15/10).

De acordo com o delegado-chefe da 17ª DP, Joás Rosa, várias testemunhas envolvidas direta e indiretamente com o acidente serão ouvidas em depoimento nos próximos dias. Peritos do Instituto de Criminalística (IC) foram até o condomínio para realizar exames no aparelho e nas instalações. “O laudo será produzido com base nas análises feitas tanto na estrutura do bebedouro quanto nas ligações elétricas que energizavam o equipamento. Apenas depois do resultado teremos materialidade para indiciar algum responsável”, explicou.

Durante a descarga elétrica, Isaac ficou preso ao bico metálico do bebedouro e sofreu um corte na boca. Ele foi encaminhado por uma equipe do Corpo de Bombeiros direto para a unidade de terapia intensiva (UTI) do Hospital Regional de Taguatinga (HRT) e segue internado.

Família desesperada
Quando sofreu o acidente, o menino estava visitando a avó, que mora no condomínio. De acordo com Matilde Duarte, 65 anos, a família está desnorteada com o estado de saúde de Isaac. “Ele permanece na UTI e entubado. Estamos muito abalados com tudo o que ocorreu e só pensamos na recuperação do meu neto”, disse.

Segundo afirmou, Matilde não se aproximou mais da área de lazer do condomínio após o choque que atingiu a criança. “Estou desnorteada e não sei se isolaram a área ou se o bebedouro foi desligado e removido do local. O mais importante agora é lutar pela recuperação dele”, desabafou.

Ao Metrópoles, os responsáveis pelo condomínio não admitiram a hipótese de choque elétrico antes da conclusão da perícia. O residencial informou que a manutenção do aparelho está em dia e dentro da garantia de serviço. Reforçou, ainda, que todas as licenças foram expedidas e estão de acordo com os padrões de segurança.

Últimas notícias